O futuro da gripe

Estadão

09 Maio 2010 | 21h25

É possível que os idosos passem a ser alvo da gripe suína no futuro, aponta uma recente revisão sobre tudo que foi publicado a respeito da doença, veiculada online pela revista New England Journal of Medicine.

De acordo com os autores, ambos membros do comitê consultor da Organização Mundial da Saúde (OMS), tanto a experiência com pandemias anteriores (de gripe) e recentes modelos de evolução da doença apontam que o vírus poderá afetar pessoas mais velhas, o que causará impacto importante na saúde pública.

Ação do vírus no tecido pulmonar.

flu2

Na pandemia ocorrida em 2009, pessoas acima de 60 anos foram menos atingidas pela gripe suína porque já teriam imunidade, decorrente de contato anterior com parentes do vírus atual na epidemia, como o vírus da pandemia de 1918, por exemplo.

A infectologista Nancy Bellei, do comitê de influenza da Sociedade Brasileira de Infectologia, explica a hipótese dos cientistas do comitê: como o próprio vírus atual é resultado de rearranjos genéticos _leva material de vírus humano da gripe, suíno e aviário _não é impossível que ele sofra novas alterações e, aí sim, possa atacar os idosos.

“Uma mutação poderá fazer com que pessoas menos acometidas passem a ser as mais acometidas pela doença”, diz Nancy.

No entanto, destaca, é cedo para previsões. Ela destaca que a pandemia atual foi diferente das anteriores, principalmente pelo padrão semelhante da doença em todos os países.

“Mas é muito difícil que haja estabilidade (do vírus)”, diz Nancy.

Os autores, que declaram já ter recebido subsídios da indústria farmacêutica para estudos, destacam ainda que é necessário manter o monitoramento do A(H1N1) para o acompanhamento de mudanças do vírus e de resistência do micro organismo aos medicamentos existentes.

“Um teste barato, simples, rápido e preciso para detectar o vírus da gripe necessitar ser desenvolvido”, destacam ainda os cientistas, que falam também, da necessidade de mais estudos para entender melhor a transmissão da doença, os casos severos e formas de tratá-los.

Os pesquisadores defendem por fim o desenvolvimento de novos antivirais e combinações desses com outros tipos de terapias, além de melhoras na prevenção, detecção de infecções bacterianas associadas à gripe suína.

No Brasil, faltam apenas duas semanas para o fim da campanha de vacinação da gripe no Brasil. A partir de hoje pessoas de 30 a 39 anos devem ser vacinadas. Continua também a vacinação dos idosos contra a gripe comum e suína – esta última só para idosos com doença crônica.

Os outros grupos alvo da vacinação que ainda não compareceram aos postos (grávidas, crianças de 6 meses a 23 meses e 29 dias, doentes crônicos de até 59 anos e jovens de 20 a 29 anos) também podem se vacinar.

Fabiane Leite é repórter da área de saúde desde 1999, dedicada principalmente à cobertura de saúde pública e privada. Trabalhou no Jornal da Tarde, Folha Online, Folha de São Paulo e atualmente é repórter da seção Vida do jornal O Estado de São Paulo. Acredita que a saúde é o princípio básico para a felicidade.

Mais conteúdo sobre:

gripe suínaH1N1idososVacinação