Búfalos: menos agressão ao meio ambiente

Estadão

22 Setembro 2010 | 13h41

A criação de búfalos é conhecida por demandar muita água, já que a pele desses animais não transpira e, para se refrescar – ainda mais com aquela pelagem negra característica dos búfalos, que deve esquentar horrores – os animais costumam passar as horas mais quentes do dia mergulhados na água. Só que o hábito intrínseco a essa espécie traz um problema ambiental em criações comerciais, pois uma manada toda na água transforma rapidamente uma represa cristalina em pura lama, que depois é carreada para cursos d’água, assoreando e poluindo rios. Pois bem. Ainda não tenho notícia de criação orgânica de búfalos, mas uma técnica simples, mencionada no suplemento Agrícola, hoje nas bancas, melhora grandemente este problema ambiental: no Vale do Ribeira, onde há cursos d’água em abundância e o maior rebanho bubalino do Estado, os criadores passaram a plantar mais árvores no pasto. Simples assim. Com mais sombra, os búfalos têm menor necessidade de ficar mergulhados, melhorando grandemente a qualidade dos cursos d’água. Além, é lógico, do benefício ambiental extra de aumentar o número de árvores na região. Não é orgânico, mas no mínimo ecologicamente correto.