Recuo na área de orgânicos primários

Estadão

03 Setembro 2010 | 18h17

As áreas produtoras de orgânicos primários (sem processamento) e aptas a exportar recuaram do ano passado para este. O tamanho da redução ainda está sendo contabilizado e o número final deve ser anunciado pela Organics Brasil em duas semanas. “Houve redução, mas ainda não sabemos de quanto”, diz o coordenador executivo do projeto Organics Brasil, Ming Liu.

A entidade – que reúne empresas produtoras e exportadoras de processados orgânicos – realizou, junto com empresas certificadoras internacionais que atuam no Brasil e certificam a produção para exportação, um levantamento da área cultivada com orgânicos e apta a exportar.

No ano passado, por exemplo, o mesmo levantamento apurou que o País possuía 7,1 milhões de hectares cultivados organicamente e certificados para exportação.

“Ainda não sabemos, por exemplo, o motivo da redução de área – de produtos primários, não processados, ressalte-se bem isso, – do ano passado para este”, diz Ming Liu. “Pode ser que os produtores estejam se readequando à nova legislação dos orgânicos ou ainda uma separação entre áreas de extrativismo e de agricultura”, continua. “Ainda estamos estudando as causas da redução.”