Três dias de debates para repensar os orgânicos

Estadão

12 Novembro 2010 | 22h48

Foram três dias de conversas em torno do tema orgânicos que provocaram reflexões sobre questões como alimentação, qualidade de vida, desintoxicação,meio ambiente, mudanças de paradigma em relação ao consumo de alimentos, gastronomia e agricultura.
Dentro da série Encontros Estadão/Cultura, promovida desta vez pelo “Agrícola” nos dias 10, 11 e 12, um médico, uma herborista, três chefs de cozinha, dois agricultures orgânicos e um agrônomo debateram , na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na capital, os seguintes temas: “Alimentos orgânicos e saúde”; “Gastronomia com orgânicos” e “O que são orgânicos, afinal?”.

No primeiro dia de debates, o dr. Guilherme Oberlaender discorreu sobre a maneira como o marketing, indústrias e lobbies acabam incutindo certas “verdades” à população em relação ao que é alimentação de qualidade. “É o caso da soja, por exemplo”, disse. “Trata-se de um grão que não deveria ser consumido em excesso como é hoje, em sucos, por exemplo, já que a soja contém estrogênio, um hormônio feminino.”
Sabrina Jeha, herborista do Viveiro Sabor de Fazenda, contou sobre a experiência de cultivar ervas medicinais e aromáticas de forma orgânica em plena capital.
No segundo dia de debates, os chefs José Barattino, Renato Caleffi e Leila D falaram das inúmeras possibilidades da gastronomia orgânica e das dificuldades de obter produtos orgânicos para abastecer restaurantes e manter o cardápio. “Respeitar a sazonalidade dos produtos é essencial e princípio básico da alimentação orgânica”, ensinaram os chefs. “A recompensa são alimentos mais saborosos”, disse Barattino.
No terceiro dia, o agrônomo José Pedro Santiago deu uma aula sobre as várias correntes da agricultura orgânica; o produtor Dercílio Pupin relatou a experiência da Família Orgânica, grupo de 100 famílias produtoras de orgânicos e o produtor Guaraci Diniz levou o público a repensar até mesmo a forma como a agricultura orgânica tem sido tratada pelos mercados. “Deve-se mudar o conceito de mercado, do lucro, e partir para o conceito primordial de preservação ambiental”, finalizou.

Acessem a TV Estadão e ali já estão disponíveis, na íntegra, todos os três dias de debates.

Siga o Agrícola no Twitter