Tremer de frio queima tanta gordura quanto fazer exercícios

Giuliana Reginatto

05 Fevereiro 2014 | 19h48

Tremer de frio por 10 a 15 minutos pode queimar tanta gordura quanto fazer uma hora de exercícios moderados. A constatação aparece em um estudo divulgado nesta quarta-feira, dia 5, pela publicação científica Cell Metabolism. As duas situações foram capazes de produzir a mesma quantidade de hormônios que ajudam a diminuir a gordura ruim do corpo, ou branca, tranformando-a em gordura boa, chamada de marrom.

O tecido adiposo humano é formado pelos dois tipos de gordura. A branca tem a função de armazenar energia no organismo, enquanto a variedade marrom, ao contrário, produz calor corporal, ajudando a queimar calorias. Pessoas com maior proporção de gordura marrom tendem a ser mais magras que indivíduos que têm menores quantidades desse tipo de gordura.

“Quando sentimos frio, primeiro ativamos a nossa gordura marrom, porque ela queima energia e emite calor para nos proteger. Quando essa energia é insuficiente, o músculo se contrai mecanicamente, ou treme, gerando calor”, escreveu no artigo o coordenador do estudo, o cientista australiano Paul Lee, do Instituto de Pesquisas Médicas Garvan, em Sydney.

Os cientistas estimam que 50g de gordura branca armazenem 300 calorias no corpo, ao passo que 50g de gordura marrom queimem 300 calorias.

Hormônios.
Lee demonstrou em seu trabalho que durante a exposição ao frio e ao exercício os níveis dos hormônios irisina (produzido pelo músculo) e FGF21 (produzido pela gordura marrom) subiram. Em laboratório, os dois hormônios foram capazes de “queimar” células de gordura branca humanas, transformando-as em células de gordura marrom.

“A transformação de gordura branca em gordura marrom pode proteger contra a diabete, a obesidade e a gordura no fígado. Os níveis de glicose são mais baixos em humanos com mais gordura marrom”, afirmou o cientista. “Do ponto de vista clínico, irisina e FGF21 representam um sistema hormonal estimulado pelo frio, o que era até então desconhecido e pode ser aproveitado em futuros tratamentos contra a obesidade por meio da ativação da gordura marrom”.

A gordura marrom é um mecanismo evolutivo que os humanos desenvolveram para enfrentar as baixas temperaturas da Terra nos primórdios da história. Ela existe em grande quantidade em animais que hibernam e nos bebês recém-nascidos, incapazes de se proteger do frio sozinhos.

Experimento.
Para analisar o fenômeno, os cientistas mantiveram os voluntários em temperaturas entre 12°C e 18°C. Eles começaram a tremer entre 14°C e 16°C. “Usamos amostras de sangue para medir os níveis hormonais e detectamos os tremores por dispositivos especiais colocados sobre a pele que captam a atividade elétrica muscular”, descreveu Lee. “Descobrimos que fazer bicicleta por uma hora em ritmo moderado produziu a mesma quantidade de irisina que tremer por 10 a 15 minutos”, informou.

O novo estudo reforça o papel do frio para a ativação da gordura marrom. O mecanismo hormonal envolvido no processo, contudo, era desconhecido.

*O estudo foi financiado pelo Instituto National de Diabete e Doenças Digetivas e Renais dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos. Não há conflitos de interesse descritos no material.