10 minutos de exercício, 3x por dia – e uma saúde melhor

Simone Iwasso

26 Julho 2012 | 11h09

Apenas dez minutos de alguma atividade física aeróbica, desde que feita com um pouco de intensidade, três vezes ao dia, é tão benéfico para a saúde do que fazer meia hora de atividade física de uma vez  (a recomendação padrão dos médicos para sedentários em geral) – em alguns casos, esse exercício fracionado pode trazer até mais benefícios, segundo pesquisas recentes. A ideia dos trabalhos não é desestimular os praticantes de atividades físicas regulares e frequentadores de academia – muito pelo contrário, eles já estão bem encaminhados e não precisam de mais incentivos.

O objetivo dos médicos é conseguir ganhar a adesão dos sedentários convictos, daqueles que não têm tempo, recursos, disposição ou disciplina para se engajar numa rotina mais longa de exercícios, e que, na maioria das vezes, já estão com pressão alta e problemas cardiovasculares. Ao conseguir comprovar que com pequenas mudanças é possível reduzir seus problemas de saúde os médicos podem fazer orientações mais adequadas e realistas para esse perfil de paciente – o consenso é que para ter efeito é preciso ao menos de meia hora de atividade física.

Segundo estudo conduzido pelo professor Glenn Gaesser, do Healthy Research Center, da Universidade do Arizona, com dois grupos de voluntários sedentários e com pressão alta, os que fracionaram os exercícios em três momentos de dez minutos (um de manhã, um à tarde e um à noite) tiveram uma redução maior da pressão sanguínea em comparação com os que fizeram 30 minutos de uma só vez. Além disso, também na comparação, os que fracionaram os exercícios tiveram menos picos de pressão alta.

Essas conclusões vão ao encontro de outras pesquisas que também analisaram o impacto dos exercícios fracionados no organismo.  Um trabalho de pesquisadores canadenses mostrou que atividades de cinco minutos, algumas vezes ao dia, foram tão eficazes para reduzir os riscos cardíacos de crianças e adolescentes quanto sessões mais longas de exercício. Outra pesquisa, feita em New Hampshire, também chegou a conclusões parecidas em mulheres.

Ou seja, quem não consegue fazer pelo menos 30 minutos diários, se matricular numa academia ou mesmo colocar um tênis para caminhar na rua, pode fazer mudanças na rotina que já terão benefícios para a saúde. Dez minutos é bem pouco e é possível de se conseguir estacionando o carro mais longe na hora de ir trabalhar ou de parar no supermercado; trocando o elevador e subindo as escadas; optando por ir até a padaria a pé em vez de pegar o carro; levar o cachorro pra dar uma volta no quarteirão e até andar nos corredores do shopping…enfim, as possibilidades na própria rotina, sem precisar se paramentar para ir a uma academia, são várias.  Ninguém vai virar atleta com isso, mas esse, nesse caso, não é muito o objetivo.

Siga este blog no Twitter: @simoneiwasso