Grupo orienta pais e professores sobre dificuldades de aprendizagem

Simone Iwasso

27 Setembro 2012 | 18h02

Pais e professores interessados em receber mais informações e orientações sobre transtornos de aprendizagem (distúrbios neurossensoriais, transtorno de aprendizagem, dislexia, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade – TDAH e déficit cognitivo) podem se inscrever gratuitamente e participarem do encontro promovido pelo projeto Aprendiz, que realiza reuniões mensais abertas a qualquer pessoa interessada.

O próximo encontro será no dia 6 de outubro, sábado, às 8h30 às 11h, em São Caetano do Sul (mais informações pelo email aprendizscs@gmail.com ou pelo telefone (0xx11 4221-7004).

O projeto, parte de uma proposta inédita que une especialistas em saúde e educação, é uma parceria do Centro Municipal de Triagem Neonatal e Estimulação Neurossensorial Dr. Tatuya Kawakami Coordenador do CTNEN, Cristiano Gomes, em encontro com pais e professores, de São Caetano do Sul, e o Instituto ABCD (iABCD).

O objetivo é informar, dar suporte e encaminhamento a estudantes com transtornos de aprendizagem – uma área onde sobram dúvidas e preconceitos, e faltam informações sérias e confiáveis. Além das palestras, o Aprendiz trabalha com adaptação curricular, apoio psicológico e orientações quanto aos direitos e deveres das famílias e instituições de ensino diante das políticas públicas e legislação atuais.

Também faz parte das ações capacitação de professores e profissionais da educação para acompanhamento pedagógico dos jovens. Em outra iniciativa bacana, alunos de Engenharia do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) desenvolvem aplicativos para tablets, para serem usados por esses alunos e professores.

O interessante da proposta é que ela utiliza os conhecimentos de pediatra, endocrinopediatra, gastropediatra, hematopediatra, pneumopediatra, neuropsicólogo, psicomotricista, nefropediatra, reumatopediatra, neuropediatra, psicopedadogo, psicóloga, assistente social, enfermeira, fisioterapeuta, fonoaudióloga, terapeuta ocupacional e nutricionista. Em resumo, consegue ser realmente multidisciplinar, outra característica importante para qualquer projeto que trabalhe com transtornos de aprendizagem.

Isso porque crianças em idade escolar podem apresentar dificuldades provocadas por vários problemas – muitos deles não ligados com a saúde- como falhas nos métodos de ensino, capacitação do professor, dificuldade em uma matéria específica, problemas familiares, falta de motivação, baixa auto estima, entre outros.

Ou seja, a presença de uma dificuldade de aprendizagem não implica em um transtorno. Outro grupo de estudantes realmente podem ter transtornos cognitivos. Por isso a importância da informação, do diagnóstico e do acompanhamento corretos.

Coordenador do CTNEN, o pediatra Cristiano Gomes, em encontro com pais e professores

 

Segue abaixo, um resuminho sobre alguns tipos de transtornos comuns entre estudantes.

– Transtorno da Leitura: dificuldade específica de compreender as palavras escritas, ou seja, de ler as palavras e compreendê-las, também é conhecido como Dislexia.

– Transtorno da Matemática: conhecido também como Discalculia, a aquisição de conceitos matemáticos, bem como de outras atividades que exigem raciocínio estão afetadas.

– Transtorno da Escrita: refere-se às alterações na caligrafia (Disgrafia) e na ortografia das palavras (Disortografia). É possível verificar dificuldades para elaborar textos escritos, erros de gramática, má organização da escrita e muitos erros ortográficos.

É importante considerar que uma criança ou adolescente pode apresentar um destes transtornos descritos, ou mais de um deles.