Acupuntura é eficaz para aliviar dores crônicas

Simone Iwasso

11 Setembro 2012 | 23h43

Um estudo rigoroso, que fez uma análise bastante detalhada dos dados de 18 mil pacientes por cinco anos, concluiu que a acupuntura é eficaz para tratamento de dores crônicas em pacientes com enxaquecas, osteoartrite e problemas de coluna, ombros e pescoço.  Mais ainda, ela é mais eficaz do que tratamentos convencionais para esse tipo de dor.

Os resultados, publicados no periódico científico Jama,  são mais um suporte da medicina baseada em evidência, em outras palavras, da ciência tradicional, para uma prática milenar, que possui um repertório próprio para compreender e tratar os problemas do corpo humano.

Há várias outras pesquisas anteriores, com recortes diversos, que já indicavam os benefícios do método. Eu mesma, por causa de uma rinite que não passava após remédios e remédios, encontrei uma maneira de controle bastante eficaz com a acupuntura. E uma das coisas que acho mais interessantes numa consulta com um bom acupunturista é o fato de ele ouvir sua história, perguntar sobre seus hábitos, histórico, problemas – uma prática que a medicina tradicional tem perdido com o tempo.

“Os efeitos da acupuntura foram controversos por muito tempo, mas encontramos evidências fortes de que ela é eficaz para o tratamento da dor crônica”, afirma o autor principal do estudo, o médico Andrew Vickers, pesquisador do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, de Nova York.

Ele afirma que os resultados dos pacientes tratados com a acupuntura são superiores aos obtidos pelos pacientes que usaram placebos (uma falsa acupuntura).


Só para esclarecer, no Brasil a acupuntura é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina e já é bastante indicada por médicos de várias especialidades como complemento em tratamentos, principalmente para pacientes com problemas crônicos.  Ela não provoca milagres, não é a solução para todo mundo, mas é bastante útil para muitas pessoas, desde que feita por um profissional qualificado.

Na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), por exemplo, há um Setor de Medicina Chinesa que se dedica a estudar os efeitos da acupuntura, e difundi-la entre pacientes e estudantes. Há um ambulatório dentro da universidade que promove sessões de acupuntura para os pacientes do hospital universitário.

É só um exemplo – existem várias outras universidades que oferecem especialização em acupuntura e se dedicam a pesquisar e entender seus efeitos sobre o organismo.

Existe também uma disputa no Brasil sobre o direito de praticar a acupuntura – médicos afirmam que seria uma atividade médica, restrita a formados em Medicina. Outros profissionais da área da saúde afirmam que, com a formação adequada, que é bastante completa, é possível ser um bom acupunturista. A polêmica está aí, mas o assunto é tão complexo que vou falar sobre ela em outro post.