1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

País tem 495 mil casos de dengue; Minas e São Paulo lideram

- Atualizado: 18 Março 2016 | 23h 02

Segundo ministério, número já é 46% maior do que o do mesmo período do ano passado, considerado o pior da história

Após viver a pior epidemia de dengue da história em 2015, o País já registra nos primeiros meses de 2016 números ainda piores do que os do ano passado. De janeiro até a primeira semana de março, foram notificados ao Ministério da Saúde 495.266 casos prováveis da doença, alta de 46% em relação ao mesmo período de 2015, quando 337.738 suspeitas foram reportadas.

A informação foi dada nesta sexta-feira, 18, pelo diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do ministério, Claudio Maierovitch, durante simpósio sobre o vírus zika feito pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo.

Em relação ao último boletim divulgado pelo ministério, com dados até a primeira semana de fevereiro, o número atual quase triplicou. Pelo balanço anterior, o País tinha 170 mil casos.

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

Maierovitch afirmou que ainda não é possível saber se o índice de infecção deste ano será ainda pior do que o do ano passado, mas afirmou que a ocorrência de epidemias em anos consecutivos tem surpreendido o Ministério da Saúde, já que, historicamente, era comum observar dois ou três anos de queda de casos após um grande surto. “Estamos espantados com o aumento da frequência de grandes epidemias”, disse. No ano passado, o Brasil registrou 1,6 milhão de casos de dengue e 863 mortes, das quais 454 aconteceram em cidades paulistas.

Segundo o diretor, Minas e São Paulo são os dois Estados com o maior número de casos neste ano, embora os índices paulistas estejam menores do que os do ano passado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX