Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Saúde

Saúde » País tem 495 mil casos de dengue; Minas e São Paulo lideram

Saúde

James Gathany/CDC/AP

Saúde

Dengue

País tem 495 mil casos de dengue; Minas e São Paulo lideram

Segundo ministério, número já é 46% maior do que o do mesmo período do ano passado, considerado o pior da história

0

Fabiana Cambricoli,
O Estado de S. Paulo

19 Março 2016 | 03h00

Após viver a pior epidemia de dengue da história em 2015, o País já registra nos primeiros meses de 2016 números ainda piores do que os do ano passado. De janeiro até a primeira semana de março, foram notificados ao Ministério da Saúde 495.266 casos prováveis da doença, alta de 46% em relação ao mesmo período de 2015, quando 337.738 suspeitas foram reportadas.

A informação foi dada nesta sexta-feira, 18, pelo diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do ministério, Claudio Maierovitch, durante simpósio sobre o vírus zika feito pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo.

Em relação ao último boletim divulgado pelo ministério, com dados até a primeira semana de fevereiro, o número atual quase triplicou. Pelo balanço anterior, o País tinha 170 mil casos.

Maierovitch afirmou que ainda não é possível saber se o índice de infecção deste ano será ainda pior do que o do ano passado, mas afirmou que a ocorrência de epidemias em anos consecutivos tem surpreendido o Ministério da Saúde, já que, historicamente, era comum observar dois ou três anos de queda de casos após um grande surto. “Estamos espantados com o aumento da frequência de grandes epidemias”, disse. No ano passado, o Brasil registrou 1,6 milhão de casos de dengue e 863 mortes, das quais 454 aconteceram em cidades paulistas.

Segundo o diretor, Minas e São Paulo são os dois Estados com o maior número de casos neste ano, embora os índices paulistas estejam menores do que os do ano passado.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.