1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

2015 teve 200 mil casos de dengue a mais que ano recorde anterior

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 19h 32

Mortes pela doença também superaram o ano de 2013, que havia sido o pior até então: no ano passado, foram 863 óbitos

BRASÍLIA - O ano de 2015 registrou quase 200 mil casos a mais e 189 mais mortes por dengue que 2013, recorde anterior. Ao todo, foram 1.649.008 notificações, com 863 mortes - em 2013, haviam sido 1.452.489 registros e 674 óbitos. Em outubro, o Estado publicou que, com 1,4 milhão de casos e 693 mortes, 2015 já tinha ultrapassado os dados de todos os anos desde 1990, quando as estatísticas começaram a ser monitoradas.

A taxa de óbitos é 82,5%  e a de infecções, quase o triplo do que havia sido registrado em 2014. O pico de casos o foi registrado em abril. Nos últimos meses, no entanto, os registros voltaram a ganhar ritmo. A incidência aumentou em todas as regiões entre outubro e dezembro, colocando em alerta autoridades sanitárias.

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

Para o coordenador do Programa Nacional do Controle da Dengue, Giovanini Coelho, esse aumento deixa clara a  necessidade de se combater o vetor da doença, o Aedes aegypti. "A tendência de aumento começa a se dar nesta época do ano. O importante é trabalharmos agora para tentar reduzir esse ritmo", observou.

Coelho atribuiu o número recorde de mortes provocadas pela dengue a dois fatores: a doença ter ocorrido sobretudo no Estado de São Paulo, provocando, em um primeiro momento, uma sobrecarga no atendimento dos serviços de saúde. Associado a isso, está o fato de a doença ter atingindo todas as faixas etárias, incluindo pessoas com mais de 60 anos. "Esse grupo é mais suscetível. Muitos pacientes já apresentam outras doenças, como diabetes e hipertensão. A dengue pode ajudar a descompensar problemas já existentes."

Há ainda uma outra hipótese, que, de acordo com Coelho, exige uma investigação mais aprofundada. Ele recorda que, em 2010, ano em que houve também um expressivo número de óbitos, o sorotipo de vírus de dengue com maior circulação era o 1. Ano passado, esse subtipo também foi predominante. "Há uma possibilidade de que esse subtipo acarrete um comprometimento mais sério em pessoas de faixas etárias mais elevadas", completou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX