1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

A seis meses da Olimpíada, Rio tenta tranquilizar sobre zika

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 13h 34

Comitê organizador dos Jogos convocou imprensa brasileira e internacional para reforçar que está combatendo o 'Aedes'

RIO - Menos de um dia após a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar a microcefalia e as desordens neurológicas em áreas com a presença do zika vírus como emergência internacional, o Comitê Rio-2016 reuniu a imprensa brasileira e internacional em uma tentativa de tranquilizar turistas e atletas estrangeiros que pretendem vir para os Jogos Olímpicos do Rio.

Com a presença de especialistas em saúde pública, a entidade reforçou que vem tomando medidas preventivas, ressaltou a diminuição do número de mosquitos nos meses em que ocorrem os Jogos e reforçou orientações que vêm sendo dadas a comitês olímpicos nacionais de todo o mundo.

Apesar de a pauta do Comitê Rio-2016 abordar diversos assuntos relativos à Olimpíada, foi o surto do zika e da microcefalia que dominou as discussões

Apesar de a pauta do Comitê Rio-2016 abordar diversos assuntos relativos à Olimpíada, foi o surto do zika e da microcefalia que dominou as discussões

A entrevista coletiva desta terça-feira, 2, foi uma das mais concorridas já realizadas pelo comitê e contou com grande presença de repórteres estrangeiros. Apesar de a pauta abordar diversos assuntos relativos à Olimpíada, foi o surto do zika e da microcefalia que dominou as discussões.

"A gente vai seguir as orientações da OMS para essa e qualquer outra orientação aos assuntos relativos ao vírus", afirmou João Grangeiro, diretor de Serviços Médicos do Rio-2016. "Algumas medidas preventivas vêm sendo recomendadas aos comitês olímpicos nacionais pelo Comitê Olímpico Internacional (COI)."

Granjeiro declarou que o Rio-2016 e os órgãos públicos estão agindo para combater os focos de Aedes aegypti. "O mais importante são as ações preventivas que o Comitê Rio-2016 já vem tomando junto com as autoridades públicas de saúde na inspeção de prováveis criadouros de mosquito e a erradicação deles."

O diretor ainda falou sobre a época em que acontecem os Jogos (a Olimpíada começa em agosto, e a Paralimpíada no mês seguinte). "A nossa expectativa é de que em julho e agosto a infestação de mosquitos caia drasticamente e, com isso, o número de zika também vai acompanhar."

A área onde está localizado o Parque Olímpico e a Vila dos Atletas, na zona oeste do Rio, fica numa região alagadiça, propícia à proliferação de mosquitos. Mas as autoridades asseguram que o Aedes não é visto em grande número na região.

7 perguntas e respostas sobre a microcefalia
REUTERS / Ueslei Marcelino
O que é microcefalia?

É uma má-formação congênita em que a criança nasce com o perímetro cefálico menor do que o convencional, que é de 32 centímetros. Isso significa que o cérebro não se desenvolveu da maneira esperada.  

"É uma área que tem a predominância de outro tipo de mosquito, que não o Aedes - é o Culex", disse Daniel Soranz, secretário de Saúde da prefeitura do Rio de Janeiro. "Diferente de outras áreas, de outros países, nós não temos transmissão de doenças pelo Culex aqui no Brasil. O máximo que pode gerar é um desconforto nas pessoas, mas não a transmissão de doenças", reforçou Alexandre Chieppe, subsecretário estadual de Vigilância e Saúde.

Chieppe também falou sobre a dificuldade no diagnóstico da doença. "A gente está falando de uma doença nova. A gente começou a lidar com isso em países com grande população recentemente. O problema não é a ausência de testes, o problema é a ausência de uma plataforma laboratorial no mundo todo", considerou.

Para Loranz, contudo, isso não atrapalha o combate à doença. "O protocolo clínico é claro: se trata zika pelos sinais e sintomas da doença. O tratamento, na maioria dos casos, vai se dar sem a realização de testes. É uma doença com características muito específicas de sinais e sintomas, com sintomas na sua maioria branda."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX