1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Aedes aegypti' se transforma em inimigo público nº 1 do Paraguai

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 09h 34

Criadouros do mosquito se espalharam por ruas e casas do país; autoridades batem de porta em porta para conscientização

ASSUNÇÃO - O Paraguai declarou guerra a um mosquito: o Aedes aegypti, que se transformou no inimigo público número um e eliminá-lo é a única forma de prevenir o contágio dos perigosos vírus de dengue, chikungunya e zika, que já se espalharam por vários países da América do Sul.

Segundo o governo, a alta infestação do mosquito no Paraguai, que fechou 2015 com 16.516 casos confirmados de dengue e cinco mortes por essa doença, deve-se à proliferação de criadouros nas ruas e nas casas.

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito cresce em todo tipo de recipiente abandonado ou que acumule água, de pneus a potes, de vasinhos de planta a garrafas, e assim se forma o espaço perfeito para que o temido mosquito se reproduza sem parar.

Para acabar com essa praga, diariamente, e quase de porta em porta, funcionários do governo tentam conscientizar à população desses perigos, uma campanha que não é nova para os paraguaios, que sofrem a dengue desde 2009, quando se instalou de forma endêmica no país.

Assim, grupos do Serviço Nacional de Prevenção da Malária (Senepa, na sigla em espanhol) se encarregam de localizar e eliminar os criadouros de uma área residencial de Assunção, que conta com bairros com mais de 50% de índice de infestação do mosquito, segundo o Ministério da Saúde.

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

"A recomendação básica é dedicar dez minutos por semana para procurar criadouros potenciais em casa e eliminá-los. Esvaziar vasos com água e eliminar qualquer possível recipiente do quintal, mas também se preocupar com o lixo na rua perto de casa, em terrenos baldios ou abandonados e avisar às instituições para que saibam onde devem ir limpar", disse Edgar Sanabria, chefe do Programa Nacional de Controle Vetorial da Dengue, vinculado ao Senepa.

No entanto, o funcionário admitiu que há falta de preocupação da população e lembrou que essa falta de consciência favoreceu para que em 2013 acontecesse a maior epidemia de dengue da história do Paraguai. Ao todo, 150 mil casos e 252 mortes em um país de 6,7 milhões de habitantes.

"Sem água parada não tem mosquito, e sem mosquito não tem dengue. Essa é a equação certa", insistiu Sanabria, enquanto acompanhava funcionários do Senepa e do Ministério da Saúde pelas ruas da cidade.

Depois da autorização dos proprietários, eles entram, ajudam a limpar os quintais, dão conselhos e dicas e despejam produtos para eliminar o mosquito se for necessário. Na casa de Erwin Krone, por exemplo, não foi preciso. O aposentado afirmou se sentir orgulhoso de nunca ter tido dengue.

Sua receita consiste em fumegar um combinado natural de citronela e cedrón kapi'i, uma das ervas medicinais mais populares do Paraguai.

"Todos por aqui já tive dengue, mas nesta casa não deixamos entrar. Eu coloco esta fórmula no quintal e na casa, e os mosquitos fogem desesperados", contou, em tom bem-humorado.

Além da dengue, o Paraguai registrou 4.292 casos de chikungunya em 2015 e está em alerta, como o Brasil e outros países da região, com o vírus da zika, depois que entrou para a lista de 14 países do continente que os Estados Unidos desaconselham a viagem de mulheres grávidas. Isso ocorre por causa da possível relação do zika com o nascimento de bebês com microcefalia.

"É uma guerra e temos que estar juntos. Nosso inimigo é o mosquito", disse recentemente o ministro da Saúde do Paraguai, Antonio Barrios. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX