Divulgação
Divulgação

Agências russa e européia lançarão sonda e robô a Marte em 2016 e 2018

Primeira sonda deverá se concentrar na exploração da atmosfera de Marte, em particular os gases estufa

Efe,

04 Outubro 2012 | 16h27

 As agências espaciais russa e europeia lançarão conjuntamente em 2016 e 2018 uma sonda e um robô motorizado para explorar o planeta vermelho no marco do projeto ExoMars, informou nesta quinta-feira, 4, o Instituto de Pesquisa Espacial (IIE) da Rússia.

"Em 2018, a Rússia não só garantirá o lançamento do aparelho, mas também todos os instrumentos técnicos e científicos", afirmou Lev Zelenni, diretor do instituto pertencente à Academia de Ciências da Rússia. O cientista russo também explicou que em 2018 "a aterrissagem em Marte (do robô motorizado europeu Pasteur) será efetuada com meios russos".

Segundo Zelenni, a agência espacial russa Roscosmos já deverá ter construído uma plataforma de aterrissagem no planeta vermelho até a data prevista.

Além disso, o cientista adiantou que o financiamento do projeto europeu já foi aprovado pelo Governo russo e, em breve, a Roscosmos e o IIE assinarão o convênio correspondente.

O porta-voz da IIE, Yuri Zaitsev, acrescentou que a Roscosmos contribuirá com a missão com uma equipe de espectrômetros de infravermelhos ACS e um espectrômetro de nêutrons Frend.

Zaitsev apontou que a primeira sonda deverá se concentrar na exploração da atmosfera de Marte, em particular os gases estufa.

Outro especialista do IIE, Igor Mitrofanov, assegurou que há vários milhões de anos Marte não era muito diferente da Terra, já que em sua superfície havia rios e lagos.

Os cientistas russos consideram que, uma vez que o planeta vermelho perdeu seu campo magnético devido a sua pouca massa, o vento solar acabou por evaporar toda água marciana.

A Roscosmos decidiu cooperar ativamente com a Agência Espacial Europeia (ESA) depois que a agência espacial americana (Nasa) abandonasse o projeto por motivos financeiros.

Em 2009, a Nasa e a ESA assinaram um acordo para compartilhar os custos de uma missão em duas partes a Marte, a qual incluía o lançamento de uma nave orbital em 2016 e mais dois robôs exploradores em 2018, com o objetivo de buscar sinais de vida no planeta vermelho e também testar as tecnologias necessárias para uma viagem de ida e volta.

Mais conteúdo sobre:
Roscosmos ESA Marte sonda robô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.