Estadão
Estadão

Análise: O problema é baixar a guarda contra a zika

Decisão da OMS não exime o Brasil da responsabilidade de acompanhar atentamente os desdobramentos da epidemia no País

Paolo Zanotto*, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2016 | 03h00

A decisão tomada pela OMS, de retirar da epidemia de zika o status de emergência internacional de saúde, não exime o Brasil - em particular seus gestores - da responsabilidade de acompanhar atentamente os desdobramentos da epidemia no País e de tentar compreendê-la e combatê-la. Ainda há muito o que fazer: não sabemos quantas pessoas foram e ainda serão infectadas, por exemplo, e portanto não temos estimativas robustas de risco. 

Por outro lado, o único aspecto preocupante nessa decisão é justamente esse perigo de que ela seja interpretada como justificativa para que baixemos a guarda em relação aos estudos, à vigilância e às ações contra a doença. 

Na realidade, quando a zika foi declarada emergência internacional, muita gente da área achou a decisão extremada. Naquele momento, porém, existia muito pouca informação acerca do potencial epidêmico e dos desdobramentos possíveis. Temia-se que, no verão do Hemisfério Norte, a situação do Nordeste brasileiro, onde se multiplicavam os casos de microcefalia, pudesse se expandir mundialmente. Mas o inverno já chegou naquela região e a zika não se tornou uma pandemia tão vultosa apesar de seu rápido espalhamento pandêmico, que já atinge 51 países e de questões essenciais permanecerem inexplicadas.

 

* Pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP e coordenador da Rede Zika.

 

Mais conteúdo sobre:
OMS Brasil USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.