Anti-inflamatório é ligado a menor risco de desenvolvimento do mal de Parkinson

Iboprofeno, medicamento vendido comumente em farmácias, quando tomado regularmente diminui em 38% o risco de desenvolvimento da doença

estadão.com.br,

03 Março 2011 | 14h40

Uma nova pesquisa sugere que o anti-inflamatório ibuprofeno pode oferecer proteção contra o desenvolvimento do mal de Parkinson. A pesquisa sobre o medicamento, vendido comumente em farmácias, foi publicada na revista Neurology, da American Academy of Neurology. O mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa caracterizada por tremores e pela dificuldade de movimento.

 

Segundo os pesquisadores, os resultados do estudo mostram que o ibuprofeno pode proteger o cérebro de maneiras que outros anti-inflamatórios não-esteroidais e analgésicos, como a aspirina ou o paracetamol, não conseguem.

 

Para o estudo, os cientistas analisaram dados de 98.892 enfermeiras e 37.305 profissionais da saúde. Os participantes relataram o uso de ibuprofeno e outros anti-inflamatórios não-esteroidais. Tomando os medicamentos duas ou mais vezes por semana o uso era considerado regular. Após seis anos, 291 foram diagnosticados com Parkinson.

 

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que tomavam os anti-inflamatórios tinham um risco 38% menor de desenvolver a doença quando comparadas àquelas que não tomavam.

Mais conteúdo sobre:
Parkinson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.