Antivirais para gripe podem não agir em crianças, diz estudo

Britânicos analisaram efeitos de medicamentos em mais de 1,7 mil crianças em estudo da gripe convencional

BBC Brasil, BBC

10 Agosto 2009 | 11h06

Estado de SP anuncia 206 locais de distribuição de antiviralUma pesquisa da Universidade de Oxford sugere que os antivirais Tamuflu e Relenza, usados para tratamento de gripe suína, raramente evitam complicações em crianças com a gripe normal.  

 

linkOMS prevê vacinação contra H1N1 a partir de setembro

linkGrandes farmacêuticas começam a testar vacina para H1N1

linkEstado de SP anuncia 206 locais de distribuição de antiviral

Apesar de ser difícil generalizar este fato com a atual epidemia de gripe suína, os autores afirmam que é improvável que estes remédios ajudem crianças que tenham contraído o vírus H1N1.

Os antivirais são a base do tratamento para a gripe suína até que uma vacina seja disponibilizada, o que deve acontecer em setembro. Estes remédios foram criados para garantir que os sintomas da doença sejam leves e reduzir a chance de uma pessoa infectada transmitir a gripe para outra.

O último estudo, publicado na revista British Medical Journal, mostra que os antivirais podem diminuir a duração da gripe comum em crianças em até um dia e meio, mas também mostra que estes remédios fazem pouco efeito, ou até nenhum efeito em ataques de asma, infecções no ouvido ou no caso de uma criança precisar de antibióticos.

O antiviral Tamiflu também já foi ligado ao aumento do risco de vômito em crianças.

A equipe da Universidade de Oxford, liderada pelo pesquisador Matthew Thompson, analisou quatro testes do tratamento da gripe comum em 1.766 crianças e três testes envolvendo o uso de antiviral para limitar o contágio da gripe comum em 863 crianças.

"Nossa pesquisa descobriu que, para a maioria das crianças, estes remédios antivirais provavelmente não vão fazer muito efeito", afirmou Thompson.

O médico Carl Henegan, que participou da pesquisa e que trabalha no hospital John Radcliffe em Oxford, afirmou que a atual política britânica de distribuição do Tamiflu para ocorrências mais leves da doença, é uma "estratégia inapropriada".

"Os efeitos prejudiciais superam a redução de um dia dos benefícios sintomáticos", afirmou.

A pesquisa também revelou a eficácia do uso dos antivirais para conter o contágio pela gripe e descobriu que 13 pessoas precisaram ser tratadas para evitar um caso adicional, o que significa que estes remédios reduziram a transmissão em 8%.

Sem surpresas

O especialista britânico em gripe Hugh Pennington, afirmou que as descobertas dos pesquisadores de Oxford não são surpreendentes e destacam o que já se sabe sobre o Tamiflu.

"O Tamiflu tem sua utilidade, mas não é milagroso", disse.

Um porta-voz do Departamento de Saúde britânico afirmou que enquanto "ainda existem dúvidas a respeito de como a gripe suína afeta crianças, acreditamos em uma política de segurança em primeiro lugar; o oferecimento de antivirais para todos ainda é uma medida responsável".

"A pesquisa está certa ao afirmar que muitas pessoas com a gripe suína apresentam apenas sintomas leves e, para estas pessoas, repouso e medicamentos contra a gripe comprados em farmácias pode funcionar."

"Mas, para aqueles que sofrem sintomas mais graves, o melhor conselho científico afirma que o Tamiflu deve ser administrado o mais rápido possível, e sugerir outra forma de tratamento é potencialmente perigoso", acrescentou o porta-voz.

 

    BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.
Mais conteúdo sobre:
gripe suína antivira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.