Assine o Estadão
assine

Anvisa aprova registro de kits para agilizar diagnóstico do zika

Exame aprovado permite a identificação dos anticorpos produzidos pelo organismo depois de ter contato com o vírus

0

Lígia Formenti,
O Estado de S. Paulo

02 Fevereiro 2016 | 21h14

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)aprovou nesta terça-feira, 2, o registro de três kits para o diagnóstico do zika vírus. "É uma ótima notícia. A partir de agora teremos uma ferramenta para poder identificar a infecção, algo esperado por todos", disse o diretor da agência, Renato Porto. A decisão será publicada nesta quarta no Diário Oficial. 

A partir do registro, as empresas poderão comercializar o produto no País. Um dos maiores desafios de autoridades sanitárias e de especialistas que se debruçam a entender um pouco mais sobre o zika e sua relação com a explosão de nascimentos de bebês com microcefalia é, até agora, a falta de um método simples e rápido para identificar a infecção pelo vírus. 

A ferramenta disponível até o momento era o teste PCR, que identifica fragmentos do DNA do vírus. Esse teste, além de caro e demorado, somente pode ser feito no período em que a infecção está em curso. Passado esse tempo, o exame é incapaz de identificar se houve de fato alguma infecção. Com isso, fica difícil avaliar, por exemplo, se o bebê com microcefalia teve, durante o período da gestação, contato com o zika. Ou se uma gestante que apresenta manchas e coceiras apresentou a infecção. 

Um dos testes aprovados pela Anvisa rompe essa limitação. O exame permite a identificação dos anticorpos produzidos pelo organismo depois de ter contato com o vírus. Isso significa que o teste promete identificar a contaminação ou não pelo agente, mesmo que isso tenha ocorrido há muito tempo. "Isso pode trazer tranquilidade para gestantes", completou. Pode ainda ajudar casais no planejamento familiar.

Ao todo, a Anvisa aprovou nesta terça o registro de cinco testes. Além dos específicos para zika, um para chikungunya e outro que permite diferenciar se a contaminação ocorreu por um dos quatro sorotipos de dengue, por chikungunya ou zika. Os kits são produzidos pelas empresas Quibasa e Eurouimmun.

Comentários