1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Anvisa autoriza teste que detecta zika em 10 minutos

- Atualizado: 15 Fevereiro 2016 | 19h 33

Exame, voltado para triagem rápida, é capaz de, mesmo após a eliminação do vírus, concluir se o paciente foi infectado

BRASÍLIA - Um teste que detecta quase instantaneamente a presença do vírus zika no organismo teve registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), conforme publicado nesta segunda-feira, 15, no Diário Oficial da União. De acordo com a fabricante, a empresa canadense Biocan Diagnostics INC, o resultado desse exame é conhecido em 10 minutos após a aplicação.

Especialmente voltado à triagem rápida de pacientes, o teste demonstra se o sangue contém os anticorpos IgG - caso positivo, é possível concluir que a pessoa teve a doença, ainda que o vírus já tenha sido eliminado. O exame também identifica os anticorpos IgM, que sinalizam a fase aguda da doença.

Este é o quarto produto autorizado pela Anvisa para o diagnóstico da zika e o terceiro capaz de, mesmo após a eliminação do vírus, concluir se o paciente foi infectado. O teste utiliza como suporte uma membrana de nitrocelulose em que os anticorpos são capturados e revelados por meio de uma rápida reação química, sem a necessidade de equipamentos especiais ou instrumentos laboratoriais.

Hoje, a zika pode ser diagnosticada por meio do teste PCR, que detecta o código genético do vírus. Porém, o exame só funciona enquanto persistem os sintomas, o que pode levar até uma semana.

Em nota, a Biocan afirma que está “satisfeita em anunciar” a aprovação do exame pelo órgão brasileiro. “Esperamos que esse teste possa ajudar a situação atual no Brasil, pois agora pacientes podem ser diagnosticados rapidamente em minutos, sob um custo muito razoável”. A empresa não informa o valor do produto nem quando passará a comercializar para o País.

5 mitos sobre zika e microcefalia
AP Photo/Felipe Dana
Criança de 7 anos e idosos tem sequelas por zika? MITO

Áudios circularam em grupos de WhatsApp mencionando a possibilidade e a existência de crianças menores de 7 anos e idosos com sintomas neurológicos decorrentes do vírus zika. A Fiocruz esclarece que não há registro nem fundamentação científica. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX