1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Anvisa firma parceria para agilizar registro de vacinas contra zika

- Atualizado: 01 Março 2016 | 23h 09

Expectativa é de que, após concluídos os testes, produtos cheguem ao mercado em três meses - atualmente, leva no mínimo um ano

BRASÍLIA - Uma espécie de força-tarefa entre agências regulatórias de pelo menos 13 países, entre eles o Brasil, foi firmada nesta terça-feira, 1º, para agilizar o registro de remédios, exames e vacinas contra o vírus da zika. A expectativa é a de que, após concluídos todos os testes, os produtos cheguem ao mercado em três meses - atualmente, leva no mínimo um ano.

O assunto foi debatido em teleconferência na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e é inspirado em uma experiência anterior de cooperação internacional para combater o Ebola, na África Ocidental. A ideia é que as agências regulatórias compartilhem informações e protocolos de análise com o objetivo de acelerar a liberação. Dessa forma, quando uma empresa solicitar registro a alguma dessas agências, as fases de testes e os resultados intermediários serão acompanhados também por outros países.

O presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa, afirmou que, após um ano de testes, já podem haver resultados intermediários consistentes que demonstrem que o produto - seja uma vacina, um medicamento ou um teste rápido - é seguro e eficaz. "Assim, a agência pode conceder uma pré-licença, garantindo o uso de drogas e vacinas experimentais em condições seguras", disse o médico, em evento sobre o zika na Embaixada da França.

Participam do grupo países como Estados Unidos, Canadá, França, Índia, Coreia do Sul e Cingapura. A cooperação é um braço da Coalizão Internacional de Autoridades Reguladores de Medicamentos (ICMRA), cuja seção de respostas a emergências é coordenada por Barbosa.

"Hoje, no mundo, há várias empresas de biotecnologia que já se lançaram na corrida para tentar desenvolver algo contra o vírus da zika, fazendo testes em animais", citou o presidente, destacando que várias delas - não informou quantas - já "sinalizaram" à Anvisa o interesse em buscar o registro. A cooperação serviria, ainda, para que os órgãos "não confiem apenas no que diz a própria empresa, que pode se autopromover otimista, mas busquem outras informações técnicas essenciais junto às agências parceiras". A medida seria interessante também para as companhias, que não precisariam repetir os procedimentos de solicitação.

A Anvisa informou que quatro testes contra a zika já foram aprovados e ainda há mais seis em análise. "A doença preenche todos os critérios de priorização, pois é uma emergência de saúde pública", disse Barbosa.

No mesmo evento na Embaixada, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, comentou dados de uma pesquisa de opinião divulgada recentemente pela CNT/MDA, em que 74% dos entrevistados reconheceram a culpa pela proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da zika, da dengue e da chikungunya. "O povo brasileiro, que tem o hábito de culpar sempre o governo, disse que o maior culpado é a própria população", disse. Castro também afirmou que nos institutos de assistência a mães de bebês com microcefalia em Pernambuco as cenas são "devastadoras".

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX