Bloqueio de proteína pode ajudar em tratamento de câncer de mama

Segundo estudo, erbB-2 estimula desenvolvimento do tumor quando migra para o núcleo da célula

Efe

15 Novembro 2010 | 16h00

BUENOS AIRES - Cientistas argentinos descobriram que o bloqueio de uma proteína pode ajudar a inibir o crescimento do câncer de mama, que anualmente causa 40 mil mortes na América Latina e no Caribe, informaram fontes oficiais nesta segunda-feira, 15.

O trabalho revela que a proteína erbB-2, localizada na membrana celular e associada à falta de resposta aos tratamentos contra a doença, pode estimular o desenvolvimento do tumor quando migra para o núcleo da célula, destaca comunicado do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet).

A pesquisa, dirigida por Patricia Elizalde, detectou que, através de progesterona, a erbB-2 se movimenta e chega ao núcleo, onde se associa a outras proteínas, fazendo com que as células do câncer de mama se dividam e proliferem.

"Se bloquearmos a capacidade da erbB-2 de chegar ao núcleo, é possível inibir o avanço da doença. Foi possível verificar isso através de experiências in vitro, em células em cultivo e também em experimentos com ratos", ressalta o texto.

Para bloquear a migração da erbB-2, usamos outra proteína "feita por engenharia genética", que impede que ela chegue ao núcleo da célula, o que diminui o crescimento do tumor, acrescenta.

O estudo "proporciona uma nova e promissora alternativa terapêutica para pacientes com câncer de mama com altos níveis de produção de erbB-2", segundo o Conicet.

O câncer de mama é o de maior incidência em mulheres na maioria dos países latino-americanos, revelou recentemente o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos (NCI).

Mais conteúdo sobre:
câncer de mama proteína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.