Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Saúde » Brasil e EUA acertam acordo para teste de zika em bolsa de sangue

Saúde

Saúde

Brasil

Brasil e EUA acertam acordo para teste de zika em bolsa de sangue

Interesse pelo método ocorre depois do aumento das restrições de alguns países à doação de sangue por pessoas vindas no Brasil

0

Lígia Formenti,
O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2016 | 21h13

BRASÍLIA - Governo brasileiro e governo norte-americano acertaram nesta sexta-feira, 19, os detalhes de um acordo para desenvolvimento de um teste capaz de identificar o zika em bolsas de sangue usadas em transfusão. O interesse ocorre depois do aumento das restrições de alguns países à doação de pessoas vindas no Brasil. O zika pode ser transmitido pelo sangue. Há pelo menos um caso de infecção provocada por transfusão comprovado no Brasil.

A confirmação ocorreu ano passado. Desde então, o Ministério da Saúde procurou reforçar as orientações para que pessoas com suspeita da doença não doem sangue, pelo menos, até um mês depois do aparecimento dos sintomas. Postos de coleta foram orientados a tornar mais rígida as entrevistas. O problema é que em 80% dos casos, pessoas com a infecção não apresentam sintomas. Daí a discussão do desenvolvimento do teste NAT.

Embora o governo inicie entendimentos para adoção de um novo teste, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, garantiu que o sangue usado em transfusão no Brasil é seguro. “A zika é uma doença nova, por isso não havia testes nas bolsas”, completou. O ministro não soube informar quanto o produto estará disponível para bancos de sangue ou quanto a pesquisa vai custar.

O secretário de Atenção à Saúde, Alberto Beltrame, afirmou que o exame, batizado de NAT, deverá ser desenvolvido em cerca de seis meses.

O teste NAT já é usado para identificar a contaminação de bolsas de sangue por hepatites C e B, além HIV. O exame, considerado mais seguro que testes usados no passado para essas doenças, identifica a presença de traços de vírus na amostra analisada. A ideia é que o exame passe a incorporar, além dessas doenças, o zika. Para isso, pesquisadores deverão, na primeira fase, fazer a coleta de vírus de cerca de 300 pacientes contaminados pelo vírus, residentes em várias regiões do País. A estratégia é feita para afastar o risco de que o exame use como padrão apenas uma variação do vírus.

“Fiocruz pode se transformar em referência mundial na realização deste teste”, afirmou Beltrame. Um dos desafios é realizar o NAT de forma rápida e num maior número de bolsas possível. O grupo que acertou os acordos da cooperação determinou ainda que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a agência de remédios e alimentos norte-americana (FDA) acompanhem todas as etapas do processo do desenvolvimento do kit e das pesquisas clínicas para avaliar a segurança do teste. Além do acompanhamento simultâneo, as agências ajustariam as exigências para que elas sejam similares, o que evitaria duplas avaliações. A intenção é que o teste possa ser usado também em outros países.

Comentários