1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Brasil lançará teste único para três doenças causadas pelo 'Aedes'

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 19h 00

Anúncio foi feito por Marcelo Castro em reunião com ministros em Montevidéu para tratar sobre medidas contra o zika

Ministro respondeu perguntas sobre a certeza brasileira da relação entre o vírus e os casos de microcefalia

Ministro respondeu perguntas sobre a certeza brasileira da relação entre o vírus e os casos de microcefalia

MONTEVIDÉU - O ministro da saúde do Brasil, Marcelo Castro, afirmou nesta quarta-feira, 3, que o País terá em um mês nos postos do Sistema Único de Saúde (SUS) um teste que detecta se o paciente picado pelo mosquito Aedes aegypti e com febre tem zika, dengue ou chikungunya. "Até agora é necessário fazer testes separados. Esperamos que isso acabe em um mês", disse. 

Ele foi o mais procurado por dezenas de jornalistas de todo o continente após a divulgação de declaração conjunta de 12 ministros de Saúde que se reuniram emergencialmente na sede do Mercosul em Montevidéu nesta quarta.

A pergunta mais recorrente para Castro era sobre a certeza brasileira da relação entre o vírus e a microcefalia em bebês. Há 4.700 suspeitas e 407 confirmações no Brasil.

7 perguntas e respostas sobre a microcefalia
REUTERS / Ueslei Marcelino
O que é microcefalia?

É uma má-formação congênita em que a criança nasce com o perímetro cefálico menor do que o convencional, que é de 32 centímetros. Isso significa que o cérebro não se desenvolveu da maneira esperada.  

"Temos certeza absoluta, inequívoca, desta relação. Antes tínhamos 150 em um ano", sustentou. Entre os argumentos que expôs, o primeiro é a coincidência geográfica entre as áreas mais atingidas pelo zika e o maior número de crianças atingidas. Logo, citou três testes ligados a bebês com subdesenvolvimento craniano. Um encontrou o vírus em um feto, outro em uma criança morta num aborto natural e um terceiro na placenta após um parto no Paraná. Questionado sobre a possibilidade de uma conexão com uso de agrotóxicos, ele foi enfático em negá-la. "São pessoas que ficam na internet inventando coisas."

A diretora da Organização Pan-Americana de Saúde, Carissa Etienne, afirmou que não há certeza porque os únicos relatos comprovados de microcefalia estão no Brasil. Na Colômbia, onde o governo estima que haja 20 mil infectados pelo zika, não há lesões em bebês. Ainda assim, o governo colombiano prevê o diagnóstico de 500 casos de microcefalia este ano, por acreditar que o ritmo do avanço da doença explica a ausência de relatos até agora. No Brasil, o primeiro diagnóstico de zika apareceu em abril, enquanto na Colômbia, em outubro. 

"Ainda é cedo para sabermos, o tempo responderá isso", disse ao Estado o ministro da Saúde colombiano, Alejandro Gaviria Uribe. 

O documento assinado pelos ministros estabeleceu objetivos genéricos como "trabalhar em conjunto", "buscar mais recursos" e "trocar experiências sobre bebês com microcefalia". Pontos mais concretos foram a criação de uma comissão para monitorar os casos de zika e a distribuição de informação sobre a doença em portos e aeroportos e postos de fronteira. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX