1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Instituto Butantã e Sanofi vão buscar vacina contra o zika

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 07h 37

Instituto brasileiro e laboratório francês pretendem aproveitar tecnologia desenvolvida em imunizante da dengue

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

Concorrentes no desenvolvimento da vacina contra a dengue, o Instituto Butantã e o laboratório francês Sanofi Pasteur deverão competir também no processo de criação de uma vacina contra o zika. Os dois já consideram utilizar a tecnologia desenvolvida para o imunizante da dengue para acelerar as pesquisas do novo produto.

Em um comunicado divulgado nesta terça-feira, 2, a empresa francesa afirmou que, embora o processo possa levar anos, “o sucesso obtido no desenvolvimento de vacinas contra vírus similares” pode acelerar o processo. Um deles seria a vacina contra a dengue que, em 20 anos, já custou € 1 bilhão para a empresa. Conhecida como Dengvaxia, a nova vacina já recebeu registro dos reguladores mexicanos e brasileiros, mas ainda aguarda o processo de definição de preço no País.

Na avaliação dos cientistas da empresa, as similaridades entre dengue e zika – ambos espalhados pelo mosquito Aedes aegypti – poderia tornar possível o uso da Dengvaxia contra ambas as doenças, ainda que no caso do zika vírus a eficiência poderia ser menor. 

Se não for confirmada sua eficiência, a Sanofi acha que pelo menos o novo produto poderia “mostrar o caminho” para uma vacina que possa funcionar. A empresa admite que está avaliando se os testes clínicos de Dengvaxia na América Latina podem ser adaptados para zika.

Butantã. Embora ainda esteja na fase 3 de pesquisas da vacina da dengue, o Instituto Butantã quer trilhar caminho semelhante. De acordo com o diretor da entidade, Jorge Kalil, está sendo estudada a possibilidade de inserir um gene do zika vírus no produto contra a dengue e verificar a eficácia contra as duas doenças. “Quem sabe, no futuro, poderíamos ter uma vacina pentavalente, que protegesse contra os quatro sorotipos da dengue e contra o zika”, disse.

Kalil afirma, no entanto, que a vacina contra o zika não estaria disponível em período inferior a três anos. “Ainda demoraria um ano para o início dos testes em humanos e mais dois anos para essa fase.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX