1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Câmara aprova PEC que eleva porcentual destinado à Saúde

- Atualizado: 22 Março 2016 | 22h 49

Segundo texto votado nesta terça-feira, União deve destinar obrigatoriamente 19,4% da Receita para a área em sete anos

A matéria foi aprovada por 402 votos a 1 e ainda precisa ser votada em segundo turno na Casa

A matéria foi aprovada por 402 votos a 1 e ainda precisa ser votada em segundo turno na Casa

BRASÍLIA - Após acordo entre todos os líderes da base e da oposição, a Câmara dos Deputados aprovou na noite desta terça-feira, 22, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que aumenta o porcentual mínimo da Receita Corrente Líquida que a União deve obrigatoriamente destinar para ações e serviços públicos de saúde. A matéria foi aprovada por 402 votos a 1 e ainda precisa ser votada em segundo turno na Casa, antes de seguir para o Senado.

Atualmente, o governo federal já é obrigado a destinar pelo menos 13,2% da receita para a Saúde. Pela lei vigente, esse porcentual deveria subir gradativamente até 15% em 2020. A PEC aprovada pela Câmara nesta terça-feira, no entanto, estabelece que o porcentual mínimo deverá alcançar 19,4% em sete anos, aumentando gradativamente a cada novo ano na seguinte sequência: 14,8%,15,5% 16,2%, 16,9%, 17,6%, 18,3% e 19,4%. 

De acordo com a relatora da PEC na comissão especial da Câmara, deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), caso a proposta seja promulgada pelo Congresso como foi aprovada em primeiro turno na Casa, esse porcentual de 19,4% provocará um aumento de cerca de R$ 140 bilhões em investimentos na Saúde ao final dos sete anos. Só no primeiro ano de vigência da proposta, devem ser cerca de R$ 12 bilhões a mais destinados à área. 

Pelo texto que tinha sido aprovado na comissão especial que analisou a PEC, o porcentual mínimo de 19,4% que a União deve destinar à Saúde deveria ser atingido em seis anos, com base em sequência diferente: começaria com 15% no primeiro ano de vigência, passando para 16%, 17%, 18%, 18,7% e 19,4%. Após acordo entre líderes da base e da oposição, contudo, os porcentuais mudaram, e o prazo foi alongado para sete anos. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX