Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Campinas confirma primeiro caso de zika contraído na cidade

Jovem foi diagnosticado com a doença após doar sangue no Hemocentro da Unicamp antes de apresentar os sintomas

Rene Moreira, Especial para O Estado

03 Fevereiro 2016 | 19h35

O primeiro caso de zika vírus autóctone (contraído na própria cidade) foi confirmado nesta terça-feira, 2, pela Secretaria de Saúde de Campinas (SP). A vítima é um jovem de 20 anos que foi infectado em abril do ano passado, após doar sangue no Hemocentro da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) antes de apresentar os sintomas.

O paciente que recebeu a doação não foi contaminado, mas apresentou alterações incompatíveis com o seu quadro de saúde. Exames foram solicitados ao Instituto Adolfo Lutz para diagnosticar dengue, mas o zika foi detectado, sendo o resultado entregue no final de janeiro. Outros dois pacientes que também receberam sangue do mesmo doador - que é do Sudoeste do País - não apresentaram problemas.

Carmino de Souza, secretário de Saúde de Campinas, explicou que o receptor do sangue permaneceu internado na Unicamp por quatro meses de 2015, tendo recebido cerca de 100 transfusões. Para achar o doador, foi feito um rastreamento, mas ainda falta descobrir o que exatamente ocorreu.

O rapaz contou que passou a apresentar os sintomas do zika em abril após a doação de sangue e que na ocasião ficou em Campinas e não viajou para outro lugar. “Estamos tentando entender o que aconteceu naquela época”, disse Brigina Kemp, diretora do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa).

Números. A maior preocupação agora é que o zika vírus circula em Campinas, que tem ainda seis casos da doença sob investigação. Outros 19 foram descartados no ano passado. A cidade soma também cinco registros de chikungunya.

A direção do Hemocentro descartou a necessidade de mudanças no processo de doação de sangue por causa desta contaminação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.