1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Câncer de mama: remoção do linfonodo da axila pode não ser necessária

Reuters

09 Fevereiro 2011 | 14h 53

Pesquisadores descobriram que vítimas da doença que não tiveram linfonodos removidos têm a mesma taxa de sobrevivência

CHICAGO - Mulheres com câncer de mama em estágio inicial talvez não tenham que remover os linfonodos cancerosos da axila, disseram pesquisadores dos Estados Unidos nesta quarta-feira, 9. A descoberta pode poupar muitas vítimas da doenças da dor e de anos de efeitos colaterais relacionados ao procedimento.

 

Veja também:

link Câncer deve atingir neste ano 500 mil brasileiros

link OMS: Exercícios evitariam 25% dos casos de câncer de mama e cólon

 

Algumas mulheres que tiveram câncer de mama e que tiveram apenas os linfonodos sentinela removidos - linfonodo mais próximo ao câncer - sobreviveram tanto tempo quanto as mulheres que passaram por cirurgias mais agressivas para a retirada dos linfonodos das axilas, conhecida como dissecação do linfonodo axiliar, disseram os pesquisadores.

 

Para o estudo, publicado na revista Journal of the American Medical Association, os pesquisadores analisaram os dois procedimentos em mulheres com câncer de mama invasivo que tiveram os tumores removidos e passaram por radiação e quimioterapia.

 

A taxa de sobrevivência foi a mesma em ambos os grupos. Remover o linfonodo pode não ser necessário porque a radiação e a quimioterapia atacam o câncer antes que ele tenha tempo de se espalhar, disseram os pesquisadores.