1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Zika e microcefalia devem aumentar no Sudeste, diz ministério

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 21h 39

Para Cláudio Maierovitch, o risco existe porque maior parte da população das grandes cidades da região é suscetível ao vírus

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

BRASÍLIA - O diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, afirmou nesta quinta-feira, 25, haver risco de o número de casos de zika e de microcefalia aumentar no País, sobretudo nas grandes cidades do Sudeste. Ele disse que a região não teve até o momento circulação importante do vírus. Por essa razão, a maior parte da população é suscetível. 

Maierovitch acredita que autoridades sanitárias brasileiras têm uma percepção semelhante àquela apresentada na quarta pela diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan. Em entrevista, ela apontou o risco de a epidemia piorar antes de que melhoras nos indicadores começassem a ser observadas. 

A maior preocupação, de acordo com Maierovitch, é o Rio, em razão da Olimpíada. O diretor observou haver uma tendência histórica de redução de casos de dengue a partir de julho, quando as condições climáticas passam a ser desfavoráveis para a reprodução do mosquito vetor, o Aedes aegypti. A previsão é que a tendência se repita com relação ao zika. Há também uma expectativa de que, com as ações de combate ao criadouros, esse risco se reduza ainda mais a partir de julho. “É essa a expectativa. Como se trata de um vírus novo, não podemos ter plena convicção.” Daí a necessidade de se reforçar as medidas de prevenção.

Maierovitch acredita que os indicadores de dengue - um termômetro para avaliar a quantidade de criadouros de mosquito do País - começarão a cair a partir de março. É esse o tempo necessário, calcula, para que ações de combate ao vetor passem a refletir também nas estatísticas sobre as doenças relacionadas ao mosquito.

Repelente. O ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou que o governo deve desembolsar R$ 300 milhões para a compra de repelentes que serão distribuídos para gestantes atendidas pelo Bolsa Família. A estratégia tem como objetivo reduzir o risco de casos de zika entre grávidas e, consequentemente, de nascimento de bebês com microcefalia. Ainda não há prazo para o início da distribuição. O maior entrave é a forma da compra. Ela deve ser feita por meio de um pool de empresas, que se comprometeriam a ofertar uma cesta de produtos.

5 mitos sobre zika e microcefalia
AP Photo/Felipe Dana
Criança de 7 anos e idosos tem sequelas por zika? MITO

Áudios circularam em grupos de WhatsApp mencionando a possibilidade e a existência de crianças menores de 7 anos e idosos com sintomas neurológicos decorrentes do vírus zika. A Fiocruz esclarece que não há registro nem fundamentação científica. 

Nos próximos dias, será aberta uma chamada para fabricantes apresentarem propostas. Como o tamanho de cada produto varia (alguns apresentam volume maior do que outros) e a indicação de reaplicação também, pode ainda haver uma variação sobre quantos produtos seriam indicados para cada gestante. O cálculo realizado, no entanto, é de uma média de cinco frascos para cada uma.

Nesta quinta, Castro alertou para a seriedade do período enfrentado pelo País. “O momento é visto por todos os pesquisadores como um dos mais difíceis da saúde pública brasileira e mundial”, disse Castro, em uma audiência realizada no Senado para discutir o problema. “Não é à toa que a última vez que o Brasil havia declarado emergência pública foi em 1917, com a gripe espanhola.”

O ministro voltou a afirmar que a tarefa de se combater o mosquito não cabe apenas ao governo federal. “O mosquito não tem filiação partidária. A responsabilidade é de todos brasileiros e de toda humanidade.” Ele ressaltou a necessidade do trabalho do poder municipal, da sociedade civil e chegou a sugerir que pessoas “inspecionem seus vizinhos” em busca de focos do mosquito Aedes. 

Questionado sobre os gastos com vigilância, Castro fez uma comparação com o que foi investido na área durante os governos de Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Segundo ele, entre 1995 e 2002, foram aplicados R$ 20,63 bi. Durante o governo Lula, foram investidos R$ 44,1 bilhões e nos 5 anos da presidente Dilma, R$ 53 bilhões. “Todos reconhecemos que não é suficiente. Precisamos de mais”, concluiu.

Mais uma vez, o ministro praticamente descartou a possibilidade da incorporação da vacina contra dengue produzida pela Sanofi Pasteur na rede pública de saúde. Ele observou que o imunizante, que já recebeu aval da Anvisa para comercialização no Brasil, é caro, tem de ser aplicado em três doses e, sobretudo, não é indicado para um público-alvo considerado essencial pelo governo: crianças e idosos. “Na vacina da dengue, as crianças abaixo de 10 anos e os mais idosos são prioridade. E essa vacina não presta para isso.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX