1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

CDC diz que vacina contra o zika pode ficar pronta em 2017

- Atualizado: 10 Fevereiro 2016 | 23h 29

Governo americano já foi consultado por companhias farmacêuticas interessadas em produzir a imunização contra a doença

WASHINGTON - A vacina de combate ao vírus zika poderá estar disponível no fim de 2017, afirmou nesta quarta-feira, 10, o responsável por doenças infecciosas do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos EUA, Anthony Fauci. Em depoimento no Congresso americano, ele disse que será possível acelerar o processo de aprovação da vacina, caso a doença continue a se propagar no início do próximo ano.

Segundo Fauci, o governo americano já foi consultado por várias companhias farmacêuticas interessadas em produzir a imunização contra o zika, o que afastaria o risco de problemas em sua comercialização. A aprovação até o fim de 2017 seria “rápida como um foguete”, mas se justificaria em um cenário de persistência do vírus, afirmou.

A fase inicial de teste da vacina - que comprova sua segurança - deve terminar ainda neste ano. Depois disso, haverá duas outras fases para demonstrar a eficácia da imunização, que devem durar entre seis a oito meses. Fauci observou que o procedimento burocrático de aprovação da vacina pode ser encurtado e concluído no fim de 2017. 

O cenário poderá mudar se houver redução significativa de casos no início do próximo ano. Se isso ocorrer, o processo deverá ser o regular, que costuma demorar de três a oito anos. Fauci ressaltou que a aprovação acelerada será facilitada pelo fato de já haver pesquisas de boas “candidatas” para a vacina. O CDC trabalha com várias possibilidades, entre as quais a vacina contra a dengue desenvolvida com o Instituto Butantã no Brasil.

Thomas Frieden, diretor do CDC, disse aos parlamentares americanos que o governo brasileiro está tomando as medidas necessárias para tentar conter o mosquito transmissor do vírus. Perguntado sobre viagens ao Brasil durante os Jogos Olímpicos no Rio, ele disse que o governo americano já deu orientações ao público - por enquanto, o CDC sugere que mulheres grávidas evitem áreas afetadas pelo zika.

Frieden observou que 40 milhões de pessoas viajam a cada ano entre os EUA e áreas afetadas pelo vírus, comparado a 20 mil que iam ou vinham de locais afetados pelo ebola. O diretor do CDC descartou a necessidade de checagem de viajantes em aeroportos e disse que a situação das duas doenças é muito diferente - ebola era transmitido entre pessoas enquanto o zika é carregado por um mosquito. “O nosso objetivo é proteger as mulheres grávidas.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX