Bobby Yip/Reuters
Bobby Yip/Reuters

China lidera aumento de teses publicadas por países emergentes

País ficou em segundo lugar, atrás dos Estados Unidos, em relatório britânico sobre pesquisas científicas publicadas em revistas internacionais

estadão.com.br com Reuters,

29 Março 2011 | 10h04

SÃO PAULO - Um relatório da Royal Society, a academia nacional de ciência do Reino Unido, colocou a China em segundo lugar na lista de países que mais publicaram artigos científicos em revistas internacionais entre 2004 e 2008. O país desbancou o Japão, que agora está em quarto lugar, atrás do Reino Unido. Estados Unidos lidera o ranking, embora o número de teses publicadas tenha diminuído.

Veja também:

link São Paulo sobe 21 posições em ranking de produção científica

link"O jovem pesquisador precisa fugir do tradicional"

link Temporada de caça a cientistas

link Albert Fert: ''Ciência é atrativa; Nobel nunca foi meu objetivo''

link Aumento do plágio em produções científicas preocupa pesquisadores

O relatório, intitulado Conhecimento, Redes e Nações: A Colaboração Científica no Século 21, chamou atenção para o crescimento das pesquisas publicadas vindas de países sem muita tradição na área, como Índia, Brasil, Irã e Turquia. "Além do crescimento da China, nós percebemos a ascensão do Sudeste Asiático, do Oriente Médio, do Norte da África e outras nações", disse Chris Llewellyn Smith, um dos responsáveis pelo levantamento.

Smith também informou que os investimentos globais na área, entre 2002 e 2007, cresceram em média 45%, enquanto que nos países emergentes este crescimento foi de 100%.

Embora os EUA ainda estejam na frente na corrida para a publicação científica, foi verificado uma queda de 5% na contribuição do país, enquanto que a China teve um aumento de cerca de 6% na participação das teses publicadas.

O Irã teve o crescimento mais rápido, de acordo com o relatório. Em 1996, o país publicou apenas 736 teses em revistas internacionais enquanto que em 2008 este número subiu para 13.238.

"O panorama está mudando. O ramo científico está crescendo e novos jogadores estão aparecendo rapidamente", disse Smith.

Mais conteúdo sobre:
pesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.