China tenta conter propagação de peste que já matou 3

Autoridades começaram a exterminar insetos e ratos para evitar disseminação de peste pneumôniaca

Agência Estado, Associated Press

04 Agosto 2009 | 10h16

Autoridades chinesas começaram a exterminar ratos e insetos nesta terça-feira, 4, em uma tentativa de conter a disseminação de um surto de peste pneumônica que já matou três pessoas no noroeste do país, informou a secretaria local de saúde. A polícia estabeleceu postos de controle nos arredores de Ziketan, uma cidade de aproximadamente 10.000 habitantes na província de Qinghai, depois do surgimento dos primeiros casos, na quinta-feira. A terceira pessoa a morrer foi um homem de 64 anos identificado apenas como Danzhi, informou a agência de notícias Xinhua. Ele era vizinho das duas primeiras vítimas.

Equipes médicas estão desinfetando a cidade e matando roedores e insetos que podem transportar a bactéria, diz a página da secretaria local de saúde na internet. As autoridades chinesas estão acompanhando de perto as pessoas que tiveram contato com os infectados. Nove pessoas contaminadas estão isoladas em um hospital, de acordo com os dados da secretaria. A representação da Organização Mundial de Saúde (OMS) na China informou estar em contato com as autoridades locais e considerou adequadas as medidas adotadas até o momento: tratar e isolar as pessoas infectadas.

A peste pneumônica é uma infecção pulmonar altamente contagiosa, capaz de matar uma pessoa em menos de 24 horas se a doença não for tratada. Ela se espalha pelo ar e pode passar de pessoa para pessoa através da tosse, segundo a OMS. Ela é causada pela mesma bactéria que provoca a peste bubônica. Mas, enquanto a peste bubônica pode ser tratada com antibióticos se houver diagnóstico precoce, a peste pneumônica é uma das mais mortíferas doenças infecciosas conhecidas. Na Idade Média, uma epidemia de peste provocou a morte de pelo menos 25 milhões de pessoas na Europa.

Mais conteúdo sobre:
China peste pneumônica disseminação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.