1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Cientistas alertam que zika tem 'potencial pandêmico explosivo'

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 07h 36

Especialistas denunciam falta de ação da OMS e comparam com epidemia de Ebola, culpando-a por negligenciar a doença na África

GENEBRA - O zika vírus tem um potencial de se tornar uma pandemia "explosiva", e a Organização Mundial da Saúde (OMS) precisa convocar uma reunião de emergência para lidar com a proliferação de casos. O alerta está sendo feito por cientistas americanos que nesta quinta-feira, 28, publicam um apelo à agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para que não repita com o zika os mesmos erros do combate ao Ebola, doença que foi negligenciada por meses pela OMS antes de sair de controle.

"A doença hoje tem um potencial pandêmico explosivo", indicaram os cientistas, acusando a OMS de não agir. 

Nesta quinta-feira, em Genebra, na Suíça, a OMS realiza sua primeira reunião sobre o assunto. Mas apenas para informar os demais governos sobre o que está sendo feito. Segundo o Estado apurou com exclusividade, a primeira notificação à entidade ocorreu em outubro. Mas nada foi feito, e toda a gestão da doença foi deixada para a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). 

O temor dos cientistas é de que, mesmo que uma vacina contra o zika vírus esteja pronta em dois anos, sua chegada ao mercado pode levar uma década 

O temor dos cientistas é de que, mesmo que uma vacina contra o zika vírus esteja pronta em dois anos, sua chegada ao mercado pode levar uma década 

Em um documento publicado nesta quinta-feira no Journal of the American Medical Association, os cientistas pedem que a OMS aprendam as lições do Ebola. O temor dos cientistas é de que, mesmo que uma vacina esteja pronta em dois anos, sua chegada ao mercado pode levar uma década. 

O artigo é assinado por Daniel Lucey e Lawrence Gostin e considera que o fracasso da OMS em agir levou a milhares de mortes na África. O mesmo cenário poderia ocorrer se uma ação imediata não for tomada.

"Um  Comitê de Emergência deveria ser convocado de forma urgente para aconselhar a diretora-geral (da OMS) sobre as condições necessárias para se declarar uma emergência de saúde pública", escreveram os cientistas. Para eles, ao convocar o encontro, a OMS poderia estar ajudando também a mobilizar recursos. 

A diretora da OMS, Margaret Chan, declarou ao Estado na quarta-feira, 27, que "o mundo inteiro está preocupado" com a proliferação de casos. Mas não deu indicações do que pretende fazer. Duramente criticada por sua gestão do Ebola, Chan fará nesta quinta-feira um discurso sobre o zika. Mas não responderá a perguntas dos jornalistas.

O vírus foi descoberto em Uganda em 1947 e os primeiros casos humanos registrados na Nigéria em 1954. Em 1977, ele foi registrado no Paquistão e, 20 anos mais tarde, na Micronésia. A Polinésia Francesa foi alvo de um surto em 2011 e, agora, a OMS estima que todo o continente americano será afetado. 

"Apesar da ameaça global, a diretora da OMS não convocou um comitê de emergência para aconselhar países sobre assuntos críticos como controle do vetor, preparação dos sistemas de saúde, recomendações de viagem e evitar medidas punitivas", indicaram os cientistas. "Ainda que o Brasil, Opas e o CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) tenham agido rapidamente, a sede da OMS até agora não tem sido proavita, dando espaço para potencial ramificações", concluíram.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.