Cientistas criam cristais melhorados para absorver CO2

Pesquisadores esperam que materiais assim levem a uma energia mais limpa

REUTERS

15 Julho 2010 | 16h49

Químicos da Coreia do Sul e dos EUA aperfeiçoaram um tipo de cristal artificial, dobrando sua capacidade de  absorver e armazenar dióxido de carbono.

 

Chamados de armações orgânico-metálicas, os cristais são estruturas porosas e estáveis que podem absorver e comprimir o gás em espaços muito reduzidos.

 

Cientistas esperam que materiais assim levem a uma energia mais limpa e ajudem a capturar o dióxido de carbono que aprisiona o calor do Sol na atmosfera da Terra, causando aquecimento global.

 

Chefiado por Omar Yaghi, do Instituto NanoSystems da Universidade da Califórnia, a equipe aperfeiçoou um cristal anterior, chamado MOF-177, e produziu duas novas versões - MOF-200 e MOF-210 - que podem armazenar até o dobro de gás.

 

"Porosidade é um jeito de conseguir muito com pouco", disse Yaghi, em nota. "Em vez de ter apenas a superfície externa de uma partícula, fazemos pequenos furos para aumentar dramaticamente a área".

 

Os cristais aperfeiçoados são descritos em um artigo publicado na edição online da revista Science.

 

O químico Jaheon Kim, da Universidade Soongsil de Seul, que ajudou a projetar o MOF-210, descreveu um grama de MOF como tendo o tamanho aproximado de quatro cubos de açúcar.

 

Se desdobrado, cada grama cobriria mais de 5.000 metros quadrados, disse Yaghi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.