Cientistas detectam pela 1ª vez as ondas gravitacionais geradas após o Big Bang

Descoberta comprova teoria do 'período inflacionário' e prova ideia prevista por Einstein

EFE

17 Março 2014 | 18h13

LONDRES - Uma equipe de cientistas dos Estados Unidos detectou pela primeira vez, por meio de um telescópio no Polo Sul, as "ondas gravitacionais primordiais" que foram geradas após a criação do universo com o Big Bang.

Essa descoberta, digna de Prêmio Nobel segundo os especialistas, foi anunciada pelo Centro Harvard-Smithsonian para a Astrofísica de Massachusetts e divulgada nesta segunda-feira, 17, pela revista britânica Nature.

De acordo com a informação divulgada pela publicação, a equipe dirigida por John Kovac conseguiu perceber pela primeira vez, por meio do telescópio BICEP2, instalado no Polo Sul em um pequeno pedaço de céu, essas ondas gravitacionais. Elas são consideradas o Santo Graal da cosmologia por provarem diversas teorias.

Telescópio no Polo Sul. Foto: Keith Vanderlinde/National Science Foundation

A descoberta destas pequenas ondulações de energia, que seriam imperceptíveis para o olho humano, demonstraria a teoria do "período inflacionário" apresentada em 1980 pelo físico teórico Alan Guth, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

O chamado "período inflacionário" seria um breve lapso de tempo durante o qual o universo multiplicou milhares de vezes seu tamanho, passando de menor que um átomo até as dimensões de uma bola de futebol. Essa teoria dependia de achar as ondas gravitacionais geradas ao iniciar esse período de expansão depois do Big Bang, há 13,8 milhões de anos. Segundo a teoria, o "período inflacionário" ou de expansão se produziu no primeiro instante de vida do universo.

Teoria da relatividade. As ondas gravitacionais, previstas por Albert Einstein com a teoria da relatividade para explicar a gravidade, mas de cuja existência não se tinham provas, foram descobertas pelo Telescópio BICEP (Background Imaging of Cosmic Extragalactic Polarization), instalado no Polo Sul. Esse telescópio estuda a radiação cósmica de fundo (CMB), os ecos que ainda nos chegam do Big Bang.

Segundo a Nature, o BICEP2 capturou uma instantânea dessas minúsculas ondulações no tecido do espaço-tempo produzidas pelo Big Bang na CMB.

O fato de que o "período inflacionário", um fenômeno quântico, produz ondas gravitacionais "demonstra que a gravidade tem uma natureza quântica como outras forças fundamentais conhecidas da natureza", destaca a publicação.

Segundo Kovac, as consequências mais importantes da descoberta das ondas gravitacionais, que se apresentará em breve ao escrutínio da comunidade científica, são para a teoria da inflação do Universo e para "a condição quântica da gravidade".

 

Mais conteúdo sobre:
ondas gravitacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.