Cirurgião espanhol realiza 1º transplante no mundo de 2 pernas

Médico também foi o responsável pelo primeiro transplante bilateral de antebraços e mãos, em 2006

Efe

11 Julho 2011 | 15h13

Valência (Espanha) - O cirurgião espanhol Pedro Cavadas concluiu nesta segunda-feira no Hospital La Fe de Valência o primeiro transplante bilateral de pernas realizado no mundo, segundo informaram fontes do centro médico.

A intervenção realizada por Cavadas, com apoio da equipe de profissionais do hospital público La Fe, começou na noite de domingo e terminou na manhã desta segunda-feira.

Trata-se da primeira vez no mundo que se realiza um transplante destas características e para realizá-lo foi fundamental a coordenação entre a Organização Nacional de Transplantes (ONT) e as equipes de profissionais da Fundação Pedro Cavadas e de médicos da rede pública valenciana.

Para realizar a intervenção, de "alta complexidade", não havia antecedentes nem experiências prévias, segundo as fontes, que não divulgaram dados sobre o paciente operado.

Segundo as fontes, Cavadas avalia ser necessário esperar pelo menos 48 horas para poder divulgar mais informações e apelaram à confidencialidade da doadora e do paciente.

O Diário Oficial da Comunidade Valenciana publicou em 4 de maio de 2010 a autorização concedida ao Hospital La Fe de Valência pela Secretaria de Saúde para o transplante de membros inferiores por um período de quatro anos.

Em 18 de agosto de 2009, o cirurgião Pedro Cavadas já havia realizado o primeiro transplante do mundo de rosto que incluiu mandíbula e língua, em um homem de 43 anos que recebeu alta cerca de um mês depois da intervenção.

O cirurgião é também o autor do primeiro transplante bilateral de antebraços e mãos em uma mulher colombiana, Alba Lucía, que foi operada em novembro de 2006 e que recebeu alta um ano e meio depois.

Além disso, em novembro de 2008, o médico conseguiu reimplantar a perna direita em um jovem de 20 anos que havia sido amputada em um acidente de trabalho.

Mais conteúdo sobre:
transplante

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.