Clube náutico é interditado por risco de febre amarela no interior de SP

Um frequentador do espaço, em Araraquara, morreu após contrair a doença e um bebê de dois anos foi internado com sintomas

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

28 Março 2017 | 18h01

SOROCABA - O Clube Náutico de Araraquara, um dos principais do interior, com 10 mil associados, foi interditado no sábado, 25, depois que dois frequentadores apresentaram febre amarela. A medida foi tomada pela Vigilância Epidemiológica estadual e do município de Américo Brasiliense, onde fica a sede de campo do clube, por recomendação do Ministério Público Estadual, depois que uma criança de dois anos foi internada com sintomas da doença. No dia 8 de março, outro frequentador do clube, um morador de Araraquara, morreu após contrair a febre amarela. Apenas os funcionários vacinados permanecem no local.

De acordo com a promotora de Justiça Denise Alessandra Monteiro Mendes, da 1ª Promotoria de Américo Brasiliense, a medida é cautelar e vale por dez dias, até que a direção do clube adote medidas para impedir o acesso de pessoas não vacinadas. O Náutico tem 108 hectares de matas habitadas pelo mosquito transmissor da doença. "Desde o primeiro caso, o Ministério Público, juntamente com os órgãos de saúde, vinha orientando o clube sobre medidas para reduzir o risco, como a restrição de entrada de pessoas não imunizadas, o que não foi feito. Com o surgimento do segundo caso, foi necessário adotar uma medida mais extrema."

 

 

O rigor se justifica, segundo ela, porque o clube é frequentado por pessoas de Araraquara e cidades vizinhas. "Elas vão ao local e depois voltam para casa, na área urbana. O risco é de levar a febre amarela, hoje restrita à zona rural, para as cidades, onde há grande proliferação do mosquito Aedes aegypti, potencial transmissor da doença." Conforme a promotora, se no prazo o clube adotar medidas para ampliar o número de sócios imunizados, o Náutico pode ser reaberto.

A direção do clube informou que interditou as trilhas e os acessos às áreas de mata e espalhou cartazes informando sobre o risco da doença e a necessidade de vacinação. A exigência de atestado de vacinação dos frequentadores não está prevista no estatuto. O Náutico informou que vai entrar com ação judicial para reverter a interdição, que considerou "desproporcional e descabida". A área total do clube de campo é de 664 hectares. A estrutura inclui uma represa de 45 hectares com praias artificiais, 8 quadras de tênis, 7 de vôlei de praia, 4 poliesportivas, camping, lanchonetes, restaurante e salão de festas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.