1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Conferência aponta avanços rumo à cura da Aids

DEENA BEASLEY - REUTERS

09 Março 2012 | 20h 46

Após décadas sendo desafiados pela complexidade do vírus HIV, os cientistas estão avançando em várias frentes rumo à cura da Aids, segundo participantes de uma importante conferência nesta semana em Seattle (EUA).

Táticas promissoras incluem a "limpeza" do HIV escondido nas células e a retirada de todas as células imunológicas do paciente, tornando-as resistentes ao vírus antes de serem devolvidas ao organismo.

Um importante empecilho é o fato de o HIV poder ficar latente em reservatórios que nem as drogas mais poderosas são capazes de atacar, segundo cientistas que participam da Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, um dos maiores eventos científicos relacionados ao HIV/Aids no mundo.

"Precisamos fazer o vírus sair do estado latente, e então confiar no sistema imunológico ou em algum outro tratamento para matar o vírus", disse Kevin De Cock, diretor do Centro para a Saúde Global, ligado ao Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA.

Surgido há pouco mais de 30 anos, o HIV contamina atualmente mais de 33 milhões de pessoas em todo o mundo. Graças a medidas preventivas, à detecção precoce e ao desenvolvimento de drogas antirretrovirais, o diagnóstico da doença não é mais uma sentença de morte, embora ainda não haja cura.

No entanto, o custo, os efeitos colaterais e a resistência viral às drogas fazem dos antiretrovirais uma solução aquém da ideal.

No ano passado, a Sociedade Internacional da Aids incluiu formalmente a cura da doença entre suas metas - que anteriormente se limitavam a prevenção, tratamento e cuidados.

Testes preliminares de possíveis vacinas preventivas ou terapêuticas contra o HIV tiveram resultados frustrantes. O HIV é um "pró-vírus", integrado ao DNA da célula hospedeira, onde ele pode permanecer latente e posteriormente se reativar.

"Tem se provado um desafio incrivelmente formidável desenvolver uma vacina", disse John Coffin, professor de biologia molecular da Universidade Tufts, em Boston. "Nos últimos anos, o pêndulo tem oscilado de volta."

Avanços na engenharia molecular permitem que os pesquisadores conheçam melhor o mecanismo do HIV. "As vacinas funcionam reconhecendo a superfície do vírus e eliminando-o", explicou Dennis Burton, professor de imunologia e ciência microbiana do Instituto Scripps de Pesquisas, de La Jolla, Califórnia. "O HIV é um vírus altamente evoluído, que desenvolveu uma superfície que incorpora características que evitam as reações dos anticorpos".

Ele desenvolveu uma pesquisa mostrando que "anticorpos amplamente neutralizadores" podem ser criados para reconhecer o HIV e nele penetrar, o que dá aos cientistas novos alvos no desenvolvimento de vacinas.

O laboratório Merck apresentou dados revelando pela primeira vez que seu medicamento Zolinza (vorinostat), contra o câncer, pode atrapalhar o desenvolvimento do HIV latente.