Tayna Hian/PREFEITURA DE RIO CLARO
Tayna Hian/PREFEITURA DE RIO CLARO

Contra dengue, cidades paulistas montam "hospital de campanha"

Estrutura, normalmente usada durante guerras para atender feridos, foi armada em Rio Claro, Marília e Catanduva

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

04 Março 2015 | 19h02

SOROCABA - Com o avanço da dengue, municípios do interior já montam estruturas semelhantes a hospitais de campanha, armados durante guerras, contra a doença.

Em Rio Claro, na região central do Estado, a prefeitura usou tendas e barracas para instalar um centro de triagem com capacidade para 300 pacientes com sintomas por dia. A cidade está em situação de emergência com a epidemia, com 1,8 mil casos e duas mortes.

A unidade, inaugurada nesta terça-feira, 3, atende também aos domingos e feriados e conta com médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, além de equipe de apoio. As tendas possuem leitos e equipamentos para hidratação. Os casos mais graves são encaminhados para hospitais e unidades de emergência.

"Na maioria das vezes, os pacientes saem daqui para completar o tratamento em casa, o que desafoga o sistema", disse o secretário de Saúde de Rio Claro, Geraldo de Oliveira Barbosa. 

Em Marília, a prefeitura instalou o "polo da dengue", anexo à Unidade Básica de Saúde Cascata, na região central, para atender pacientes com sintomas. Só os casos mais complexos são encaminhados para a rede hospitalar. O espaço tem capacidade para 150 pacientes e, além de consultas, possui estrutura para reidratação. O último balanço indica 5.811 casos de dengue na cidade.

Catanduva, na região norte, instalou um hospital de campanha no Colégio Jesus Adolescente, no Parque Joaquim Lopes, exclusivo para doentes com dengue. A unidade tem 70 leitos e está sempre lotada - em dias de pico, o movimento se estende à 1 hora. Foram contratados 38 profissionais, entre médicos e equipe de apoio, para dar conta da demanda. O município está investindo R$ 300 mil por mês para manter a unidade.

A cidade chegou a 3.929 casos confirmados de dengue este ano, tendo ainda 4.459 à espera de exames. De acordo com a Vigilância Epidemiológica, já são 28 as mortes suspeitas, das quais seis já confirmadas. De acordo com a prefeitura, o caso só pode ser confirmado por exame em laboratório oficial.

Mais conteúdo sobre:
Dengue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.