John Vizcaino/Reuters
John Vizcaino/Reuters

Barranquilla usa carro fumacê no carnaval para combater zika

Colômbia já registrou 13.531 casos de pessoas infectadas com o vírus e está atrás apenas do Brasil; na cidade, foram 1.532

O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2016 | 08h13

BARRANQUILLA - A prefeitura de Barranquilla, no norte da Colômbia, anunciou nesta quarta-feira, 27, que vai usar carro fumacê nas ruas por onde passarão os desfiles de carnaval, como parte das ações para prevenir o avanço do zika vírus.

"É uma medida que vamos adotar pelo grande acúmulo de pessoas que vamos ter, mas só será efetiva se for acompanhada da destruição de criadouros do mosquito Aedes aegypti", afirmou a secretária de Saúde de Barranquilla, Alma Solano Sánchez.

Depois de uma reunião do Conselho Metropolitano de Saúde, órgão do qual também fazem parte os municípios de Soledad, Puerto Colombia, Malambo e Galapa, Solano explicou que a fumigação só mata o mosquito adulto. Por isso, os criadouros também devem ser eliminados para evitar a proliferação do inseto na região.

A prefeitura de Barranquilla informou que identificou 1.532 pacientes com zika na cidade até esta quarta-feira, entre os quais há 189 mulheres grávidas, acompanhadas de modo permanente, e outras 15 pessoas com a Síndrome de Guillian-Barré.

"A ideia é que, a partir de Barranquilla e com todos os municípios da região metropolitana, trabalhemos de maneira intersetorial porque qualquer situação que sair do controle vai afetar a todos nós", destacou Solano.

O carnaval de Barranquilla, declarado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco, na sigla em inglês) como Patrimônio Cultural e Imaterial da Humanidade, é reconhecido como um dos melhores do mundo. Mais de 1,5 milhão de pessoas devem participar da festa, que ocorrerá entre 6 e 9 de fevereiro.

Até a primeira semana de janeiro, foram registrados 13.531 casos de pessoas infectadas com o zika vírus na Colômbia, número superado na América Latina somente pelo Brasil. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.