1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Grupo quer que papa reveja veto a aborto

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 20h 30

Com medo da expansão do zika, ativistas católicos dos EUA fizeram apelo ao Vaticano; especialistas consideram mudança improvável

Cidade do México se prepara para receber o papa Francisco nesta sexta-feira, 12

Cidade do México se prepara para receber o papa Francisco nesta sexta-feira, 12

Um grupo liberal católico pede que o papa Francisco autorize integrantes da Igreja a “seguir a própria consciência” no uso de métodos contraceptivos ou até mesmo que mulheres possam abortar diante da epidemia do zika vírus – ligado a casos de microcefalia. Com sede em Washington, o Catholics for Choice fez o apelo nas vésperas da visita do papa a Cuba e México – a América Latina é o epicentro da infestação.

O arcebispo de Brasília, d. Sérgio da Rocha, atual presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), já afirmou que o aborto “não é a resposta” ao problema. O cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Odilo Pedro Scherer, também foi enfático. “A pressão pela legalização do aborto de seres humanos com deficiência é contrária à misericórdia: quer resolver o sofrimento e o desconforto, suprimindo o ser humano que, sem culpa sua, possa ser o motivo do desconforto”, afirmou ele, que na semana passada chegou a reconhecer que no caso de métodos contraceptivos, a situação “é bem diferente” e que os casais “sabem muito bem como prevenir uma gravidez indesejada”. Na opinião de especialistas, é impossível que a Igreja abra qualquer exceção em relação à sua doutrina. Mas é preciso separar muito bem as duas questões: dos métodos contraceptivos e do aborto. 

Veja 10 posicionamentos do papa Francisco que vêm mudando a Igreja Católica
Luca Zennaro/Reuters
Papa Francisco

Desde março de 2013, quando assumiu a liderança da Igreja Católica, o papa Francisco vem despertando a simpatia dos jovens com suas ideias progressistas. Já os conservadores classificam suas ações como demasiado marxistas e até 'perigosas'. 

“Para evitar uma gravidez indesejada, a Igreja segue defendendo o método natural. Que, se bem feito, é perfeitamente eficiente”, afirma o biólogo e sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Quanto ao aborto, a argumentação é mais complexa. “A Igreja vê uma exploração abusiva e ideológica do problema. E isso cria um clima de pânico que pode levar as pessoas a aceitar comportamentos que normalmente feririam sua concepção de mundo”, avalia Ribeiro Neto. 

Em São Paulo, o movimento Católicas Pelo Direito de Decidir diz que foca sua pressão sobre o Supremo Tribunal Federal (STF) “porque vivemos em um Estado laico em que as normas não podem ser ditadas pela Igreja”. “É um absurdo a Igreja ainda condenar que os fiéis façam uso de métodos contraceptivos”, diz a coordenadora executiva do movimento, Rosângela Talib. “É irreal. Todos sabem que a maioria dos católicos se protege, independentemente do que a Igreja pensa ou deixa de pensar sobre o assunto.” /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX