Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Depoimento: 'Em cada fase da doença, tentei ver o lado positivo’

Diagnosticada com câncer de tireoide aos 30 anos, a blogueira e fisioterapeuta Manuela Alves fez vídeos explicando o tratamento

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2017 | 03h00

"Faço exames de rotina há 16 anos. Quando completei 30, em 2014, minha médica decidiu solicitar alguns exames a mais. Pediu o ultrassom de tireoide e, nele, apareceu um nódulo e um cisto. Ela me encaminhou para o endocrinologista, fiz punção e havia a chance de ser maligno. A recomendação era retirar a tireoide. Depois da cirurgia, a biopsia confirmou que era câncer. Alguns linfonodos retirados também deram positivo e, por isso, tive de fazer a iodoterapia (tratamento com iodo radioativo para matar células cancerígenas).

A parte chata foi ficar isolada no hospital por dois dias e depois mais alguns dias dentro de casa por causa da radiação. Mas, em nenhum momento, eu fiquei desesperada. Em cada fase da doença, tentei ver o lado positivo. Em vez de pensar que tinha câncer, dava graças a Deus por ser um tumor de tireoide, que não é tão grave e pode ser curado.

Ao lidar com tudo isso, eu percebi que muitas pessoas ainda viam o câncer como uma doença muito grave, complicada, às vezes como uma sentença de morte.

Há seis anos, eu escrevo um blog de beleza. Como tenho 200 mil acessos por mês, decidi usar esse espaço para mostrar que a realidade não era bem assim. Fiz vários posts e vídeos, explicando sobre o tratamento, acalmando as pessoas, e vejo que isso foi muito importante, porque muita gente me procura agradecendo, dizendo que só lia coisa ruim na internet sobre a doença.

O diagnóstico de câncer é sempre difícil. Tive fases complicadas também, como quando criei uma neurose de que tudo que eu sentia poderia ser o câncer voltando. Mas fui conversando com meu médico, me informando, tendo apoio da família e dos amigos e vi que não era assim. Esse é, até, o tema do próximo vídeo no meu canal no YouTube.

A remoção da tireoide traz algumas mudanças. A gente passa a tomar hormônios e leva alguns meses para achar a dosagem ideal. Não tive tantos efeitos colaterais, só me sentia mais sonolenta, mas passou. Hoje, tenho rotina um pouco diferente, mas no final acabou sendo bom porque estou cuidando ainda mais da saúde."

Mais conteúdo sobre:
YouTube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.