AP
AP

Descobertos destroços de navio abandonado no Ártico no século 19

O Investigator foi lançado em 1850, com uma tripulação de 66 homens

REUTERS,

29 Julho 2010 | 15h46

Arqueólogos canadenses descobriram os destroços de um navio que pode ter sido o descobridor da Passagem de Noroeste. Eles afirmam que a embarcação continua em boas condições, 150 anos depois de ter sido abandonada pela tripulação no gelo do Ártico.

 

os pesquisadores conseguiram fazer imagens de sonar do HMS Investigator durante o fim de semana, não muito depois de terem chegado à remota Baía Misericórdia, nos Territórios de Noroeste, disse Marc-Andre Bernier.

 

O Investigator foi o navio britânico enviado em busca de duas embarcações perdidas que faziam parte da expedição lançada pela Marinha Real em 1845 para descobrir uma ligação entre Atlântico e Pacífico pelo noroeste do Canadá.

 

"Isto é definitivamente da maior importância", disse Bernier, chefe do serviço de arqueologia submarina da Parks Canadá, órgão federal que conduz o estudo ártico. "Este foi o navio de confirmou e determinou a descoberta da passagem".

 

Ele disse que um dos arqueólogos comparou a descoberta á de um dos navios de Colombo.

As águas geladas ajudaram a preservar o navio, que está no leito marinho sob 11 metros de água, não muito distante do local onde foi documentado pela última vez, em 1854.

 

Localizar o navio era uma empreitada complexa por conta de sua localização remota e também porque as águas são geralmente muito frias. Neste ano, a equipe teve uma área livre de gelo para trabalhar.

 

O Investigator foi lançado em 1850, com uma tripulação de 66 homens, mas acabou abandonado depois de passar dois invernos imobilizado pelo gelo.

 

A tripulação, liderada pelo capitão Robert John LeMesurier McClure, deixou para trás uma reserva de equipamentos e provisões no litoral do que hoje é parte do Parque Nacional Aulavik.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.