1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma admite que País está perdendo a guerra contra o 'Aedes' e recorre a Obama

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 22h 07

Presidente disse não ver problema nas recentes declarações de ministro da Saúde porque ele fez uma 'constatação da realidade'

BRASÍLIA - Preocupada com os danos à imagem do Brasil no exterior, a presidente Dilma Rousseff decidiu tomar a frente do combate ao Aedes aegypti e expor ações internacionalmente. Para tanto, telefonou nesta sexta-feira, 29, para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para acertar esforço conjunto. A estratégia é adotada às vésperas de o zika ser declarado uma ameaça internacional e sob pressão interna - com a possibilidade real de deixar o mandato com uma geração de crianças com microcefalia.

Na conversa, que durou 15 minutos, Dilma e Obama discutiram “a cooperação bilateral na área de saúde, para o combate e desenvolvimento de uma vacina contra o zika”. Um grupo de alto nível, que reunirá o Departamento de Saúde americano e o ministério brasileiro da área, foi criado para desenvolver parceria na produção de imunizantes e produtos terapêuticos. Será usada como base a cooperação já adotada no desenvolvimento da vacina contra a dengue.

Ainda nesta sexta, em teleconferência com governadores de cinco Estados, a presidente apresentou o texto de uma Medida Provisória que vai assinar permitindo que representantes do poder público possam entrar em casas e terrenos que estejam fechados e com possíveis criadouros de mosquitos. Essa medida teria de ser apressada para que entre em prática já em fevereiro, durante as visitas de agentes de saúde e militares.

Ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Castro, a presidente Dilma Rousseff disse que não viu problema nas recentes declarações do peemedebista

Ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Castro, a presidente Dilma Rousseff disse que não viu problema nas recentes declarações do peemedebista

Além da mobilização nacional, a presidente está interessada em uma ação conjunta com países da região. Na quinta-feira, Dilma telefonou para o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, para falar sobre a reunião de ministros da Saúde dos integrantes da Unasul, que será feita na semana que vem, em Montevidéu, para tentar conter o avanço das doenças no América do Sul. Dilma sugeriu ainda a Tabaré Vázquez, presidente pro tempore do Mercosul e da Unasul, que, dependendo do resultado do encontro de ministros, seria importante convocar uma reunião de presidentes, para selar ações mais rápidas.

Cobrança internacional. Nesta sexta, a presidente Dilma fez questão até de participar do mutirão que o governo federal está fazendo em todas as repartições públicas, para combater focos do mosquito. Ela visitou o Grupamento de Fuzileiros Navais e acompanhou a colocação de larvicidas nos bueiros. Essas ações servem de resposta às cobranças internacionais que o Brasil está recebendo de vários países, e até da Organização Mundial da Saúde (OMS), por causa da microcefalia.

Um dos auxiliares da presidente consultados lembrou que, quando o problema se limitava à dengue, não havia esse nível de cobrança externa. Agora, a situação é considerada mais grave porque está sendo espalhada uma doença que causa severos danos neurológicos em bebês. A ideia é que, com essas ações que estão sendo desencadeadas agora, no próximo verão já não haja o mesmo volume de casos de microcefalia.

Para a Olimpíada, no inverno, o governo espera que a situação esteja bem mais controlada. Mas o Estado do Rio receberá um dos maiores investimentos de combate ao mosquito. O Ministério da Saúde identificou 350 capitais e cidades com mais de 100 mil habitantes onde há maior incidência de doenças. O governo quer entrar nos 50 milhões de imóveis que existem no País e daí a necessidade da MP para garantir a legalidade da medida. Até agora, só chegou a 10,9 milhões de domicílios e postergou o mutirão em um mês.

Guerra ao mosquito. Nesta sexta, a presidente Dilma mudou o discurso de negação e admitiu que o governo está “perdendo a luta” contra o mosquito. “Se eu dissesse que nós estamos ganhando a luta, nós estaríamos em uma fase mais avançada. Agora, nós vamos ganhar a luta. Nós vamos demonstrar que o povo brasileiro é capaz de ganhar essa guerra.” Há alguns dias, em sua passagem pelo Equador, a presidente disse justamente o contrário.

Dilma insistiu que, como ainda não há uma vacina contra dengue e zika - para a qual espera ajuda de cientistas americanos e do presidente Barack Obama -, o ideal é que haja uma mobilização de toda a sociedade para eliminar água parada e erradicar os criadouros do mosquito. Ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Castro, a presidente voltou a defendê-lo, salientando que não viu problema nas recentes declarações do peemedebista, porque ele fez apenas uma “constatação da realidade”. No início da semana, Castro declarou que o Brasil “perdeu feio” a batalha contra o Aedes aegypti.

A presidente, no entanto, negou que o governo tenha demorado para enfrentar o problema e destacou que a situação não preocupa só o Brasil, mas o mundo inteiro. E reconheceu que este é um momento mais delicado, por causa da relação entre o zika vírus e o aumento do número de bebês com microcefalia. “A dengue é que nem uma gripe. Agora, zika, não. Zika não é uma gripe”, disse. Apesar de a presidente ter comparado a dengue a um resfriado comum, a epidemia da doença vem preocupando especialistas e causou 863 mortes somente no ano passado. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX