1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dilma anuncia R$ 10 mi para estudos sobre o zika na Fiocruz

- Atualizado: 10 Março 2016 | 21h 03

Além da busca de vacinas, verba deverá ser usada em pesquisas de combate ao mosquito 'Aedes aegypti'

Dilma em visita à Fiocruz nesta quinta-feira 

Dilma em visita à Fiocruz nesta quinta-feira 

RIO - A presidente Dilma Rousseff e o ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciaram a liberação de R$ 10,4 milhões para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para estudos de combate ao mosquito Aedes aegypti. Destes, R$ 4,4 milhões são para financiar pesquisas científicas vacina contra o vírus zika. O restante será destinado para pesquisas sobre zika e microcefalia em parceria com a agência de saúde americana NIH (National Institutes of Health).

Com a agência americana, foi estabelecida parceria para estudos populacionais de longo prazo para esclarecer questões ligadas à infecção por zika e a relação com microcefalia. "Vamos acompanhar a população de Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro atingida pelo zika, com e sem danos de má-formação congênita. Esse estudo é fundamental, como um recente com grávidas que nós mostramos que 30% dos bebês tiveram alguma alteração e que o zika pode provocar efeitos em toda a gestação", afirmou o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha. 

Gadelha ressaltou ainda que algumas questões precisam ser esclarecidas, antes do desenvolvimento de vacinas, como saber se a pessoa infectada pelo zika fica imune ao vírus e por quanto tempo. "As previsões mais otimistas dizem que a gente poderia a partir do fim do ano os estudos clínicos. Se acontecer, será um grande feito. Mas é previsão otimista. Tudo dando certo, teríamos a vacina no mercado em três anos".

Dilma visitou pela primeira vez a Fiocruz na tarde desta quinta. No encontro de cerca de duas horas, ela conheceu Bio-Manguinhos, unidade de produção de vacinas, e assistiu a uma apresentação sobre o projeto Eliminar a Dengue: Desafio Brasil, iniciativa que propõe a introdução na natureza de mosquitos Aedes aegypti contaminados com a bactéria Wolbacchia, que bloqueia a transmissão de vírus. A pesquisa mostra que em 6 meses, 80% da população de mosquitos passou a ser de insetos que não transmitem dengue. 

"Uma questão central para o controle de vetores é o escalonamento do projeto Wolbachia. Vamos definir o nível de escalonamento e decidir por qual cidade vamos começar. A alternativa é trabalharmos população de 400 mil habitantes, que é a da Indonésia, até uma cidade de 6 milhões de habitantes, como o Rio de Janeiro", afirmou o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha. O custo da opção mais ambiciosa é de US$ 40 milhões por três anos, divididos entre a Fundação Bill e Melinda Gates, o governo federal e contrapartida da prefeitura que receberá o projeto. A presidente vai tomar a decisão no próximo mês, disse Gadelha.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX