web.mit.edu
web.mit.edu

Dispositivo permite fazer teste de visão pelo celular

Aparelho desenvolvido pelo MIT é acoplado à tela do telefone e examina os olhos em 2 minutos

estadão.com.br

24 Junho 2010 | 19h33

SÃO PAULO - Uma equipe do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), nos EUA, desenvolveu um dispositivo que torna possível fazer exame oftalmológico pelo celular, por um preço entre US$ 1 e US$ 2.

 

Para o teste funcionar, é preciso usar um aparelho plástico acoplado à tela do telefone. O paciente, então, olha por uma pequena lente e pressiona as teclas do celular até que duas linhas verde e vermelha, paralelas, se sobreponham.

 

O processo é repetido por oito vezes para cada olho, em diversos ângulos. O tempo de duração total é inferior a 2 minutos. Por fim, o software instalado no telefone fornece os dados sobre as lentes necessárias para corrigir o problema de visão.

 

O principal responsável pelo estudo, que contou com a participação de 20 voluntários para testes preliminares, é o pesquisador Vitor Pamplona, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O time, orientado pelo professor Ramesh Raskar, do MIT, conta ainda com o professor visitante Manuel Oliveira, também da UFRGS, e o PhD Ankit Mohan.

 

"Nosso dispositivo tem potencial para fazer exames de refração ocular de rotina mais simples e barato, e, portanto, mais acessível a milhões de pessoas nos países em desenvolvimento", diz Oliveira.

 

O aparelho, chamado Netra (Near-Eye Tool for Refractive Assessment), usa um sistema óptico derivado de códigos de barra produzidos no ano passado por alguns membros da equipe. O trabalho será apresentado em julho na conferência anual de computação gráfica Siggraph. Ainda não há previsão de o Netra chegar ao mercado.

 

Dois bilhões de pessoas têm problemas de refração, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, e, segundo a Organização Mundial da Saúde, esses desvios não corrigidos são a segunda maior causa de cegueira no mundo, atingindo 2% da população mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.