1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em 1 mês e meio, dobra nº de países com zika

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 21h 29

Dezoito países já têm casos autóctones; Organização Pan-Americana de Saúde pede ampliação de respostas ao vírus

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

BRASÍLIA - O número de países com circulação do vírus zika dobrou em um mês e meio, de acordo com alerta divulgado nesta segunda-feira, 18, pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Agora, de acordo com o mais recente comunicado, são 18 os países e territórios das Américas com casos autóctones – transmissão local – do vírus.

Diante do avanço da infecção, do aumento de casos de microcefalia e da síndrome de Guillain-Barré, duas doenças relacionadas ao zika, a entidade recomenda que países-membros ampliem a capacidade de resposta de seus serviços de saúde, sobretudo para atendimento de síndromes neurológicas e de pacientes nos primeiros dias de vida. O documento reforça a necessidade de que sejam mantidos os esforços para reduzir a presença do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti.

O Brasil declarou em novembro emergência sanitária nacional em razão do aumento de casos de bebês com microcefalia, uma doença até então rara. O surto foi identificado no Nordeste e aconteceu meses depois de a região ter enfrentado um aumento de casos de zika. 

Pesquisadores fizeram a associação com a infecção durante o período da gestação. Em oito exames realizados em bebês com microcefalia que morreram logo depois do nascimento e em fetos com diagnóstico da má-formação, foi identificada a presença do vírus – algo que reforça a hipótese de transmissão durante a gestação.

Embora evitem afirmar de forma categórica que a infecção pelo zika provoca a microcefalia, autoridades sanitárias emitem claros sinais de que não restam dúvidas sobre a associação. Diante dos dados, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) recomendou que gestantes americanas evitem visitar países com circulação do vírus.

Síndrome. Segundo o relatório, há também aumento significativo de casos da síndrome Guillain-Barré, doença autoimune, que provoca paralisia progressiva. O processo se inicia pelos membros inferiores e migra para os superiores. Os sintomas regridem depois de meses, mas boa parte dos pacientes precisa ficar internada. A doença geralmente acontece depois de uma infecção provocada por vírus ou bactéria. 

Chama a atenção o aumento do número de casos em pacientes que apresentaram sintomas semelhantes aos do vírus zika (febre, coceira e manchas pelo corpo). O relatório cita como exemplo El Salvador. A média anual é de 14 casos por mês. Em dezembro, essa marca já havia subido para 46 casos, com duas mortes. 

O Brasil também é mencionado. Em 42 pacientes com a síndrome, 26 (ou 62%) haviam apresentado sintomas semelhantes aos de zika. A Opas cita como exemplo um estudo, cujo resultado foi antecipado pelo Estado, do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, de Pernambuco, que identificou a presença do vírus em amostras coletadas dos pacientes. 

O relatório da Opas reforça a necessidade de se ampliar a vigilância, com monitoramento de novos casos de síndromes neurológicas e anomalias congênitas. A vigilância não deve se resumir à síndrome de Guillain-Barré. É preciso ficar atento também à Síndrome de Fischer, encefalites e meningites.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX