Reuters
Reuters

Em comunicado, OMS defende proibição de cigarros com sabor no Brasil

Iniciativa ocorre diante da expectativa de o STF julgar hoje a Ação Direta de Inconstitucionalidade movida pela Confederação Nacional de Indústria  

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2017 | 13h17

BRASÍLIA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou nesta quinta-feira,17, uma nota defendendo a proibição do uso de aditivos em produtos derivados do tabaco.

A iniciativa ocorre diante da expectativa de o Supremo Tribunal Federal julgar hoje a Ação Direta de Inconstitucionalidade movida pela Confederação Nacional de Indústria (CNI) sobre o assunto, depois de vários anos de espera.

Em 2012, uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a adição de substâncias que mascarem o sabor e aroma do cigarro, sob a justificativa de que a prática poderia incentivar a iniciação de jovens no tabagismo.

A proibição, no entanto, nunca chegou a ser colocada em prática. Em 2013 a ministra do STF, Rosa Weber, concedeu uma liminar suspendendo os efeitos da resolução, pouco antes de ela entrar em vigor. 

Na ação, a CNI apontava uma série de problemas na decisão da Anvisa, entre eles, o argumento considerado genérico pela confederação, de  que a venda de produtos com aditivos poderia provocar risco iminente à saúde. 

No documento divulgado nesta quinta-feira, a Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial de Saúde (OPAS/OMS) avalia que a permissão dos aditivos em cigarros seria um retrocesso para as ações para o controle do tabagismo no País. 

"O Brasil foi o primeiro país no mundo a proibir, em 2012, o uso desses aditivos. Nos anos seguintes, pelo menos 33 outros países baniram produtos de tabaco com flavorizantes. Retroceder nessa medida pode atrapalhar a bem-sucedida trajetória brasileira na redução do número de pessoas que fumam", afirma a nota.

A OPAS/OMS classifica a decisão da Anvisa de proibir os aditivos como "comprovadamente adequada aos propósitos de defesa da saúde pública". Diz ainda que ela está alinhada às determinações descritas nas diretrizes na regulamentação da Convenção Quadro do Tabaco, um acordo mundial, ratificado pelo Brasil, com medidas para prevenção e controle do tabagismo no mundo.

Na nota, a OPAS/OMS observa que suas posições são norteadas de acordo com as diretrizes dos acordos internacionais, sustentadas por argumentos científicos e por experiências bem-sucedidas.

"Não cabe ao organismo internacional opinar sobre competência jurídica", informa o texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.