1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Embrapa faz testes com bioinseticida capaz de matar larvas do 'Aedes'

- Atualizado: 15 Fevereiro 2016 | 19h 04

Segundo o Ministério da Agricultura, a tecnologia não prejudica a saúde; produto precisa de registro na Anvisa

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está em fase final de testes toxicológicos da nova geração de um bioinseticida capaz de matar as larvas do mosquito Aedes aegypti - transmissor de dengue, febre chikungunya e zika. Segundo o Ministério da Agricultura, essa tecnologia não prejudica a saúde de pessoas e de animais. O produto, chamado Inova-Bti, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Matogrossense do Algodão (IMA).

Quando finalizado, o Inova-Bti virá na forma líquida e poderá ser adicionado em qualquer lugar que acumule água ou tenha potencial para ser um criadouro do Aedes aegypti. Ele não afetará o mosquito adulto, apenas as larvas. Depois dos testes finais, o produto ainda precisa ser registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

De acordo com o ministério, o Instituto Matogrossense do Algodão tem capacidade para produzir 1.600 litros de Inova-Bti por semana, assim que obter o registro pela Anvisa. “A recomendação é que cada família utilize um frasco de 30 ml. Por isso estima-se que cerca de 53 mil residências possam ser atendidas por semana”, disse o ministério por meio de nota. 

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX