Entrevista: Zarifa Khoury, médica infectologista do Instituto Emílio Ribas

1.Campanhas de prevenção voltadas para os grupos mais vulneráveis da população seriam suficientes para tentar diminuir o número de novas infecções por HIV no Brasil?

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

17 Julho 2014 | 03h00

Não. Temos também de agregar outras formas de prevenção de novas contaminações, além do preservativo. É preciso divulgar melhor a profilaxia pós-exposição, já disponível para quem teve uma relação sexual desprotegida e ofertar a profilaxia pré-exposição (nos dois casos, são administrados antirretrovirais para evitar a contaminação).

2.Como as campanhas governamentais poderiam sensibilizar os grupos mais vulneráveis?

Trabalhando diretamente com os ativistas de cada grupo. Hoje já é feito treinamento dessas pessoas para trabalhar diretamente com os grupos, mas não é suficiente.

3.Essa população tem o atendimento adequado nos serviços de saúde?

Acho que os profissionais de saúde devem ser mais bem treinados sobre a forma de acolhimento dessas pessoas, tanto os que buscam prevenção quanto os que precisam do tratamento. Hoje nem todos os serviços têm uma abordagem correta e o usuário desiste de fazer o acompanhamento correto.

Mais conteúdo sobre:
Aids

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.