Epidemia de dengue é a pior da história da Argentina

Especialistas afirmam que a doença poderia ter sido evitada se o controle tivesse sido feito a tempo

Marina Guimarães, da Agência Estado,

03 Abril 2009 | 15h08

A epidemia de dengue na Argentina já é a maior da história do país. "É o pior ano da dengue", reconheceu ao jornal Clarín o diretor de Epidemiologia do Ministério de Saúde, Juan Carlos Bossio. Mas, apesar dos milhares de casos, o secretário nega que haja uma epidemia em escala nacional.

 

"Em temos estritos, não é uma epidemia nacional porque temos focos circunscritos do país", argumentou. O maior número de casos tinha sido registrado em 2004, quando 1.493 pessoas foram infectadas. Agora, o governo afirma que são 5.164 casos registrados, mas os números extraoficiais chegam a 11 mil.

 

Bossio afirma que o surto que afeta a Bolívia se estendeu às províncias argentinas de Salta, Jujuy, Chaco, Formosa, Tucumán, Corrientes e Catamarca. Pelo menos quatro pessoas morreram em Chaco e Salta.

 

Nas províncias de Neuquén, La Pampa, Buenos Aires, Mendoza, La Rioja, Catamarca, Córdoba, Entre Ríos e Santa Fe e na capital Buenos Aires, foram registrados casos de pessoas doentes que haviam viajado às províncias afetadas.

 

Os especialistas afirmam que a doença poderia ter sido evitada se o controle tivesse sido feito com tempo, mas o governo da primeira província afetada, Chaco, teria ocultado a informação sobre o número de casos e impedido que o alarme fosse dado.

Mais conteúdo sobre:
dengue argentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.