1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Epidemia de zika muda rotina de cientistas

- Atualizado: 07 Março 2016 | 12h 47

Mobilização da comunidade científica contra o vírus resulta em horas extras e leva laboratórios a mudarem linhas de pesquisa

"Quais são as maiores dificuldades de pesquisa de zika no momento? Que o dia só tem 24 horas!" A declaração entre bem-humorada e aflita é do virologista Paolo Zanotto, do Instituto de Ciências Biomédicas da USP. Ele conta que tem dormido em média 3 horas por noite desde que se observou a epidemia de microcefalia. "Na verdade todo mundo que está trabalhando com zika tem falado que também está assim. Saculejou todo mundo. A gente só ouve o pessoal contando que o marido tá reclamando, mulher tá reclamando. As prioridades mudaram", conta.

Para ele, a diferença na forma como os cientistas estão se mobilizando agora se dá porque a crise em si é inédita. "É só pensar na carga socioeconômica que pode gerar ter um número grande de crianças com microcefalia. Pode causar uma perturbação na demografia. É um aspecto devastador impactando a forma como a sociedade continua no tempo. É como destruir a semente das plantas. A perspectiva é pavorosa, acho que por isso a movimentação foi enorme", diz.

A mudança de rotina também impactou o laboratório de pesquisa do neurocientista Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do Instituto D'Or de Pesquisa. Antes da epidemia, eles vinham trabalhando no desenvolvimento dos, agora famosos, mini-cérebros, para testar a evolução de outras doenças neuronais, como esquizofrenia. Diante da emergência, redirecionou os esforços e passou a analisar se o vírus zika seria capaz de infectar as células-tronco que formam o cérebro.

"Foi um mês de pesquisa, começamos a trabalhar no Carnaval e quando vimos que tínhamos um bom resultado, escrevemos em 48 horas um paper que foi submetido ao preprint (sistema em que a análise do estudo não é feita por pares – como a tradição científica determina –, e que vem sendo defendida em caso de uma emergência)", contou Stevens ao Estado na semana passada, ainda zonzo de sono. O trabalho mostrou que, sim, o zika infecta e destrói as células, o que pode ser um caminho para entender sua possível relação com a microcefalia.

Ele conta que esse esforço está sendo possível porque ainda tem uuma reserva de investimentos dos últimos 10 anos. "Foi um período em que conseguimos formar uma capacidade intelectual instalada e de equipamento. É uma mistura essencial para resposta rápida para uma crise, mas agora o futuro da pesquisa pode começar a ficar prejudicado", diz.

5 orientações da OMS sobre o zika vírus
REUTERS
Mulheres grávidas devem estar preocupadas com o zika vírus?

Embora os sintomas associados com zika sejam geralmente leves, uma possível associação foi observada entre o aumento anormal de zika e casos de microcefalia no Brasil desde 2015.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX